AFP PHOTO / Omar haj kadour
AFP PHOTO / Omar haj kadour

Imagens de fotógrafo sírio resgatando crianças feridas em explosão comovem a internet

Profissionais que acompanhavam retirada de civis em cidades sitiadas registraram o momento em que o colega Abd Alkader Habak tentou salvar feridoas em ataque que deixou ao menos 126 mortos, incluindo 68 crianças

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2017 | 09h26

ATENÇÃO: Esta matéria contém imagens fortes

DAMASCO - Depois de seis anos de guerra na Síria, muitas imagens feitas pelos fotojornalistas que acompanham o conflito chocaram o mundo. 

Isto aconteceu em 2015 com a foto do menino Alan Kurdi, morto em uma praia da Turquia ao tentar chegar à Europa junto com a família. E se repetiu no ano passado, com a imagem do pequeno Omran Daqneesh, com a cara empoeirada e ensanguentada dentro de uma ambulância após um bombardeio em Alepo.

Desta vez, no entanto, um fotojornalista se tornou protagonista no sofrimento vivido diariamente pelos sírios. No último fim de semana, Abd Alkader Habak acompanhava a retirada de civis de cidades isoladas no país quando a explosão de uma bomba atingiu os ônibus usados no processo, deixando ao menos 126 mortos, incluindo 68 crianças.

Habak ficou momentaneamente desorientado, mas assim que retomou seu consciência tentou socorrer as crianças feridas na explosão. As imagens dele carregando um ferido e, depois, chorando ao lado do corpo de outra vítima, foram compartilhadas na internet por outros colegas de profissão e comoveram a internet.

"A cena foi terrível. Especialmente por ver crianças gemendo e morrendo na frente de você", disse Habak em entrevista à emissora britânica Channel 4 News (veja abaixo, em inglês, a entrevista e as imagens gravadas por Habak). "Então, junto com meus colegas, decidimos deixar as câmaras de lado e ajudar as pessoas feridas."

De acordo com o relato do fotógrafo, a primeira criança que ele tentou ajudar já estava morta. Ele correu até uma segunda vítima que, apesar dos ferimentos, ainda respirava. Habak a pegou no colo e correu em direção a uma área segura. Sua câmera ainda estava ligada e gravou parte do caos. "Esta criança segurava minha mão com força", disse ele à Channel 4.

Habak afirmou que deixou o garoto ferido, que devia ter 6 ou 7 anos, em uma ambulância, mas não sabe se ele sobreviveu. Ele ainda voltou para a área da explosão e tentou resgatar mais crianças.

Muhammad Alrageb, o fotógrafo que capturou as imagens do resgate, disse que também ajudou resgatar algumas das vítimas, mas em determinado momento voltou a tirar fotos. "Eu queria filmar tudo para garantir que os culpados possam ser responsabilizados", disse Alrageb.

Mais conteúdo sobre:
DAMASCOSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.