Imagens mostram hematomas no corpo de Tymoshenko

Um jornal ucraniano publicou nesta sexta-feira fotografias que parecem mostrar grandes hematomas no corpo de Yulia Tymoshenko. A ex-primeira-ministra do país entra hoje em segunda semana de sua greve de fome.

AE, Agência Estado

27 de abril de 2012 | 12h18

O diário Ukrainska Pravda disse que as fotografias confirmam as afirmações da líder opositora de que foi espancada por guardas da prisão em 20 de abril, quando tentavam levá-la à força para tratamento num hospital do governo. Tymoshenko sofre de graves problemas de coluna.

O episódio atraiu críticas de vários países ao governo da ex-república soviética, algumas semanas antes de o país realizar a cerimônia de abertura da Eurocopa de futebol, da qual participarão líderes europeus.

Na quinta-feira, o presidente alemão Joachim Gauck recusou o convite para participar do evento oficial, no mês que vem, por causa das preocupações sobre a saúde e o tratamento dado à líder da Revolução Laranja, ocorrida em 2004.

O comissário de Justiça da União Europeia, Franco Fratini, também recusou, nesta sexta-feira, o convite para a cerimônia de abertura do evento, marcada para 8 de junho, em Kiev, alegando "razões institucionais".

O advogada de Tymoshenko, Serhiy Vlasenko, disse que a ex-premiê "não está comendo nada e apenas bebe água" e que permanece acamada com fortes dores nas costas.

"Ela também queria dizer que não comparecerá a seu julgamento e não exclui a possibilidade de que a força seja usada contra ela, apesar de seu estado de saúde", afirmou Vlasenko à agência France Presse.

A filha de Tymoshenko, Eugenia Tymoshenko, disse nesta sexta-feira que a saúde de sua mãe piorou muito desde o suposto espancamento sofrido na prisão. Ela afirmou também temer que sua mãe seja alimentada à força. Médicos alemães que examinaram a ex-premiê disseram não acreditar que ela possa receber tratamento adequado na Ucrânia.

Em outubro, Tymoshenko começou a cumprir uma sentença de sete anos de prisão. Ela é acusada de abuso de poder por ter fechado um caro acordo de gás com a Rússia quando ocupava o cargo de primeira-ministra, em 2009. O Ocidente criticou o veredicto e disse que ele teve motivações políticas

Tymoshenko iniciou uma greve de fome há uma semana para protestar contra o suposto espancamento. Ela afirma que os guardas bateram em seu estômago e torceram seus braços e pernas quando a levaram a um hospital, contra sua vontade. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
UrcrâniapolíticaTymoshenko

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.