KCNA via REUTERS
KCNA via REUTERS

Imagens revelam atividade em outra instalação de mísseis norte-coreanos

Especialistas apontam que fotografias registradas por satélite mostram veículos, trem e guindastes na usina de Sanumdong

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2019 | 04h07

SEUL – Fotografias de satélite analisadas por especialistas neste sábado, 9, mostram atividade recente em uma instalação de montagem de mísseis na Coreia do Norte.  As imagens, divulgadas três dias depois que trabalhos foram detectados em outra base do país asiático, aumentam as especulações sobre um possível lançamento após a fracassada cúpula de Hanói entre o presidente americano Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un.

As fotos foram analisadas pelo especialista em proliferação no Instituto de Estudos Internacionais de Middlebury, Jeffrey Lewis, e postadas em sua conta do Twitter. De acordo com ele, as imagens revelam atividade na chamada usina de Sanumdong, localizada no distrito de Ryongsong, em Pyongyang.

As fotografias mostram uma concentração de veículos em frente ao centro de montagem e um trem estacionado e guindastes erguidos no centro de carregamento próximo, usado para transportar projéteis e componentes.

As imagens parecem confirmar o que o diretor do Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul, Suh Hoon, informou a um grupo de parlamentares na última quinta-feira, 7: a Coreia do Norte pode estar preparando um novo lançamento.

No entanto, as imagens de Sanumdong, onde acredita-se ter sido fabricado o míssil intercontinental (ICBM), o mais sofisticado do regime, foram registradas no último dia 22 de fevereiro, quase uma semana antes da cúpula entre Trump e Kim em Hanói (Vietnã).

Muitos especialistas acreditam que o regime poderia estar preparando o lançamento de um satélite a bordo de um foguete e não um míssil, depois que também se detectasse recentemente atividade na base de lançamento espacial norte-coreana de Sohae.

A ONU sempre considerou que os lançamentos espaciais de Pyongyang são, na verdade, um teste disfarçado de mísseis ICBM - que usam tecnologia semelhante à de um foguete espacial - e os castigaram com sanções.

Com os preparativos, o regime poderia estar tentando pressionar os EUA para a retomada do diálogo o mais rápido possível após a reunião em Hanói chegar ao fim sem acordo. \ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.