REUTERS/Jose Luis Gonzalez
REUTERS/Jose Luis Gonzalez

Imigração americana apreendeu 60 mil crianças nos últimos 40 dias

Secretário adverte para riscos que menores desacompanhados ou com a família enfrentam na travessia

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2019 | 21h08

WASHINGTON - Pelo menos 60 mil crianças ficaram sob custódia das autoridades americanas nos últimos 40 dias – uma média de 1.500 por dia –, revelou nesta terça-feira o secretário interino do Departamento de Segurança Interna (DHS, na sigla em inglês), Kevin McAleenan, advertindo sobre o risco enfrentado pelos menores em razão da “mudança demográfica” na migração.

“Nos últimos 40 dias, 60 mil crianças estiveram sob custódia do DHS, não acompanhadas ou como parte de unidades familiares”, disse McAleenan ao Comitê Judiciário do Senado.

O secretário interino insistiu em definir a situação como uma “crise” e disse que, no mês passado, houve um recorde de 144 mil pessoas cruzando a fronteira. Ele também mencionou o recorde de 5,8 mil imigrantes cruzando a divisa em um único dia, assim como o número de 1.036 detidos também em um só dia. 

O Escritório de Aduana e Proteção Fronteiriça dos EUA (CBP, na sigla em ingles) disse, no dia 5, que as detenções de imigrantes na fronteira com o México chegaram a 132.887 em maio. A cifra inclui 11.507 menores não acompanhados, 84.542 que estavam com suas famílias e 36.838 adultos sozinhos. Em maio, 11.391 pessoas entraram nos EUA sem autorização, indicam as estatísticas do CBP.

McAleenan advertiu sobre uma mudança dos fluxos migratórios, antes compostos por homens adultos sozinhos e que agora passaram a ser formados por famílias e crianças desacompanhadas. O secretário citou uma recente conversa que teve com um homem da Guatemala, dizendo que sua filha deixaria o país centro-americano acompanhada do filho dela. 

“Todo mundo sabe que uma criança é um passaporte para migrar para os EUA”, disse McAleenan, ao considerar que a atual crise migratória é diferente de tudo o que já se viu na fronteira.

Para McAleenan, as lacunas nas leis migratórias americanas podem estar “provocando uma mudança demográfica no fluxo da imigração ilegal” para os EUA que, segundo ele, “submete as crianças a riscos únicos e críticos”. Ele destacou que 72% das ações realizadas em maio pelas autoridades fronteiriças estavam relacionadas com menores desacompanhados ou famílias. 

McAleenan testemunhou ao Senado depois que os governos dos EUA e do México chegaram a um acordo migratório que conteve a ameaça da Casa Branca de impor tarifas sobre os produtos mexicanos. O secretário pediu ao Congresso que aprove a liberação de fundos para que o governo possa lidar com o fluxo de migrantes que tem prejudicado o trabalho dos agentes de fronteira. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.