Imigração também está em ata

Um dos outros pontos delicados da declaração da conferência foi a questão da imigração. O Brasil conseguiu a aprovação de referências à defesa dos direitos dos imigrantes, mas apenas depois de muita batalha diplomática com a delegação europeia. O texto pede que políticas migratórias sejam revistas, se elas violam direitos fundamentais. No entanto, segundo a brasileira Edna Roland - que foi a relatora da reunião de Durban em 2001 e está em Genebra como especialista eminente da ONU -, as recentes restrições à entrada de imigrantes na Europa devem dificultar o debate. "O clima político não é favorável", disse Edna. A especialista preocupa-se também com a aprovação de uma legislação racista que, nos últimos anos, invade cada vez mais o pensamento democrático. Ela ainda diz que, em consequência dos atentados nos EUA de 2001, o cenário internacional ficou mais desfavorável para o combate ao racismo e à xenofobia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.