REUTERS/Yannis Behrakis
REUTERS/Yannis Behrakis

Imigrantes bloqueiam ferrovia entre Grécia e Macedônia

Eles bloquearam o tráfego ferroviário e exigiram passagem para a Europa Ocidental nesta segunda-feira após serem impedidos de seguir adiante

O Estado de S. Paulo

23 de novembro de 2015 | 19h26

IDOMENI, Grécia - Marroquinos, iranianos e paquistaneses retidos na fronteira norte da Grécia com a Macedônia bloquearam o tráfego ferroviário e exigiram passagem para a Europa Ocidental nesta segunda-feira, 23, após serem impedidos de seguir adiante em razão de uma política de triagem de imigrantes nos Bálcãs que tem levantado preocupações sobre o respeito aos direitos humanos.

Um iraniano que se declarou em greve de fome se despiu até a cintura, costurou os lábios com nylon e sentou-se na frente de uma linha de policiais macedônios. Questionado pela agência Reuters sobre onde queria ir, o homem, de 34 anos, engenheiro elétrico, que disse chamar-se Hamid, respondeu: "Para qualquer país livre no mundo. Não posso voltar. Vou ser enforcado".

Depois de chegar de barco e bote à Grécia, vindos da Turquia, centenas de milhares de imigrantes, muitos deles sírios fugindo da guerra, têm caminhado por toda a península dos Bálcãs, indo para os países mais ricos da Europa setentrional e ocidental, principalmente a Alemanha e a Suécia.

Na semana passada, no entanto, a Eslovênia, membro da Zona de Schengen, na qual se pode viajar pela Europa sem passaporte, declarou que só iria garantir a passagem para aqueles que fogem do conflito na Síria, no Iraque e no Afeganistão, e todos os outros "imigrantes econômicos" seriam mandados de volta.

Isso levou os outros países da rota - Croácia, Sérvia e Macedónia - a fazerem o mesmo, deixando um número crescente empacado em tendas e em torno de fogueiras nas fronteiras dos Bálcãs, num momento em que o inverno se aproxima.

Grupos pró-direitos humanos questionaram essa política, alegando que o asilo deve ser concedido com base no motivo, e não em função da nacionalidade.

"Classificar toda uma nação como de imigrantes econômicos não é um princípio reconhecido no direito internacional", disse Rados Djurovic, diretor do Centro de Proteção ao Asilo, com sede em Belgrado. "Corremos o risco de violar os direitos humanos e o direito de asilo", declarou à televisão estatal sérvia.

A nova medida coincide com a crescente preocupação, especialmente dos políticos de direita na Europa, sobre o risco do fluxo caótico e muitas vezes sem controle de pessoas para a Europa, no rescaldo dos ataques do dia 13 em Paris por militantes islâmicos, nos quais 130 pessoas morreram.

Foi constatado que dois suicidas envolvidos nos ataques fizeram a mesma rota dos imigrantes que chegam de barco à Grécia e, em seguida, viajaram para o norte pelos Bálcãs. A maioria dos extremistas, no entanto, era cidadão da França ou da Bélgica. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Crise migratóriaGréciaMacedônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.