FEDERICO SCOPPA / AFP
FEDERICO SCOPPA / AFP

Imigrantes sequestram navio que os resgatou no Mediterrâneo, dizem autoridades

Itália e Malta dizem que eles ordenaram à tripulação que seguisse para o norte da Europa

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2019 | 17h45

VALETTA, MALTA - Imigrantes sequestraram um navio petroleiro nesta quarta-feira, 27, e forçaram a tripulação a desviar para o norte da Europa, afirmaram as autoridades da Itália e de Malta. As Forças Armadas de Malta estão de prontidão, pois a embarcação ainda estava em águas territoriais da Líbia, na metade do caminho entre Trípoli e Malta.

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, disse que o navio petroleiro El Hiblu 1, com bandeira de Palau mas de propriedade de uma companhia com sede em Trípoli, resgatou cerca de 120 imigrantes no Mar Mediterrâneo na noite de terça-feira, 26. Segundo ele, "este deve ser o primeiro ato de pirataria no oceano cometido por imigrantes".

Salvini disse que as condições das águas não eram boas e era muito cedo para dizer se o navio estava seguindo para Malta ou para a ilha italiana de Lampedusa.

"Esta é uma clara demonstração de que não estamos diante de uma operação de socorro de pobres náufragos que fogem da guerra, mas de tráfico internacional de seres humanos", disse.

Por anos, os barcos comerciais que circulam perto da Líbia têm desviado para resgatar os imigrantes. Como a Líbia agora coordena essas operações, tem ordenado aos navios que retornem com os imigrantes, o que tem causado desespero entre eles, pois muitos arriscam a vida para fugir e temem voltar ao círculo de violência do qual são vítimas. 

Em várias ocasiões os imigrantes que foram escoltados de volta à Líbia rejeitaram deixar os barcos, levando as autoridades líbias a fazer uso da força. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.