Impacto de terremoto na economia chinesa é limitado

O terremoto que atingiu a cidade de Ya''an, na província de Sichuan, ocorre quando a China luta contra um crescimento menor do que o esperado e o risco de aumento de inflação. Mas os primeiros sinais são de que o impacto na economia deve ser limitado, segundo matéria de hoje do blog do Wall Street Journal.

Agência Estado

21 de abril de 2013 | 09h33

Sichuan é uma das mais populosas províncias da China e ocupa um lugar estratégico como caminho para o rápido desenvolvimento do oeste do país. Mas ainda tem desempenho menor do que seu peso econômico, com produção de 2,1 trilhões de yuans (US$ 340 bilhões) em 2011, o equivalente a 4% do total nacional.

Ya''an está a 120 quilômetros da capital da província, Chengdu, com a economia centrada no turismo, agricultura e recursos naturais, incluindo o centro de pesquisas de pandas que se deslocou para lá depois do terremoto em Sichuan de 2008. O Produto Interno Bruto (PIB) local em 2011 era de apenas 35 bilhões de yuans, uma fração do total regional, de acordo com números do provedor de dados CEIC.

O destrutivo terremoto de Sichuan em 2008 abalou o a produção industrial, que teve crescimento de 3,6% em comparação anual em maio de 2008, de 24,6% em abril. Mesmo assim, o crescimento da produção nacional praticamente não se alterou e por volta de agosto daquele ano, Sichuan tinha se recuperado e estava perto dos níveis de crescimento anteriores ao terremoto.

Sendo o terremoto de Ya''an de menor escala, o impacto na produção deve ser menor também. A indústria de Ya''an parece ser mais limitada, e até agora há apenas alguns relatos de consequências para as empresas na região. A Toyota Motor Corp. Parou sua produção na planta que fica naquela província no sábado como resultado do terremoto, mas informou que deve retomar a produção na segunda-feira.

Outra preocupação potencial é com a inflação mais alta. Os preços de alimentos ameaçam subir novamente e Sichuan responde por 4,9% das terras agrícolas da China. Uma interrupção no fornecimento poderia aumentar os gastos das famílias na China. Novamente, a lição deixada pelo terremoto de 2008 é de que o impacto deve ser limitado.

"Estamos otimistas com a economia de Sichuan", disse o economista da HIS Alistair Thornton. "O terremoto é uma tragédia, mas é difícil ver esse fato colocando o desenvolvimento fora do seu curso por muito tempo", completou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaterremotoeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.