AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Impeachment de Trump tem apoio de 48% dos americanos

Pesquisa indica que 41% dos entrevistados são contra um julgamento político do presidente

O Estado de S.Paulo

16 Maio 2017 | 15h57

WASHINGTON - Um pesquisa publicada nesta terça-feira pela empresa Public Policy Polling aponta que 48% dos americanos querem o início de um processo de impeachment contra o presidente dos EUA, Donald Trump.

Essa porcentagem é maior do que os 41% que se opõem a Trump responder a um julgamento político, algo que só ocorreu em duas oportunidades na história dos EUA.

O Congresso iniciou, mas nunca finalizou, o "impeachment" dos presidentes Andrew Johnson (1829-1837) e Bill Clinton (1993-2001), enquanto a possibilidade do julgamento político forçou a renúncia de Richard Nixon em 1974.

Só 43% dos questionados consideram que Trump finalizará seus primeiros quatro anos de mandato.

Além disso, a pesquisa, com uma margem de erro de 3,7%, situa o apoio à gestão do presidente em 40%, enquanto 54% se mostraram contra Trump, que foi incapaz de superar 40% de popularidade desde que chegou ao poder em janeiro.

A pesquisa foi realizada com 692 adultos entre 12 e 14 de maio, depois que Trump demitiu de maneira surpreendente o diretor do FBI James Comey e posteriormente relacionou sua saída à investigação que a agência lidera sobre a possível interferência da campanha eleitoral do republicano pelo governo russo.

Esse demissão foi a pior crise em uma administração que esteve repleta de escândalos desde seu primeiro dia e não parece ser capaz de acabar com as dúvidas sobre a capacidade de Trump para comandar o governo e iniciar as reformas legislativas que propôs, apesar de os republicanos controlarem o Congresso.

O processo de "impeachment" pode ser iniciado pela maioria simples da Câmara de Representantes, embora posteriormente o julgamento político seja realizado pelo Senado com o magistrado chefe do Supremo Tribunal presidindo as audiências.

O Senado é o encarregado de declarar culpado um presidente com dois terços (67) dos votos e destituí-lo do poder, algo que nunca ocorreu na história dos EUA. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.