Imprensa desafia o estado de emergência nas Filipinas

O jornal "Daily Tribune" de Manila, que foi posto sob controle policial após a declaração do estado de emergência nas Filipinas, assegura em sua edição dominical, que não vai acovardar-se."O ´Tribune´ continuará desafiando. A presidente (Gloria Macapagal) Arroyo pode ordenar seu fechamento por temor (de perder o poder), mas não nos acovardamos durante os anos de lei marcial e não o faremos agora", assegura o diário em um editorial de primeira página assinado por sua diretora, Ninez Cacho-Olivares.A ocupação do "Tribune", diário de oposição a Arroyo, aconteceu na madrugada do sábado, dias depois de a presidente declarar estado de emergência nacional devido a uma ameaça de golpe de Estado.Essa medida, junto com a visita de policiais ao tablóide "Abante", o posicionamento de tropas nas sedes das duas maiores empresas televisivas e as advertências do Governo de que tomaria o controle dos meios de comunicação que se manifestassem a favor da oposição, causaram alarme nos meios jornalísticos, que temem uma diminuição da liberdade de imprensa."Hoje, a imprensa filipina faz frente a seu maior desafio", afirmou a União Nacional de Jornalistas das Filipinas (NUJP, sigla em inglês) em comunicado divulgado neste domingo."Dar apoio aos inimigos de Arroyo inclui entrevistar políticos da oposição. A Administração quer que os meios de comunicação apresentem apenas a visão do Governo, empregando a força e a coerção para dobrar os jornalistas", diz a NUJP."Podem intimidar-me o quanto quiserem, mas lutarei, e se nos fecharem irei ao Tribunal Supremo", disse Cacho-Olivares, a diretora do "Tribune", aos meios de comunicação locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.