Imprensa divulga áudio de diálogo entre capitão do navio e capitania dos portos

Na ligação, o capitão, Francesco Schettino, recebe ordens para voltar para o navio

17 de janeiro de 2012 | 14h32

ROMA - A imprensa italiana publicou nesta terça-feira, 17, o áudio de um telefonema entre o capitão do cruzeiro Costa Concordia, que naufragou na noite de sexta-feira, e a Capitania dos Portos. Na ligação, o capitão, Francesco Schettino, recebe ordens para voltar para o navio.

 

Ouça a seguir o áudio da ligação (em italiano):

 

 

No começo da conversa, às 21h54 locais (18h54 em Brasília), Schettino assegura que tudo está bem e diz que o navio, que já estava encalhado diante da ilha de Giglio, enfrentava apenas "problemas técnicos". Horas mais tarde, à 0h32 locais (21h32 em Brasília), o capitão do navio disse que havia apenas entre 200 e 300 pessoas a bordo, apesar de que a embarcação ainda estava cheia. Mais de 4,2 mil pessoas estavam no navio no momento do acidente.

 

No telefonema, Schettino conversa com Gregorio Maria De Falco, da Capitania. Ele pede que o capitão retorne imediatamente ao navio e informe quantas pessoas estão no barco e detalhe quantas mulheres, crianças e idosos há. Schettino hesita e acaba despertando a ira de De Falco, que, exaltado, pede que apenas ouça e obedeça. Veja os principais trechos da conversa.

 

De Falco: Aqui é De Falco, de Livorno, falo com o comandante?

Schettino: Sim, boa noite comandante De Falco.

De Falco: Diga-me seu nome, por favor.

Schettino: Sou o comandante Schettino.

De Falco: Escute, Schettino. Há pessoas presas a bordo. Quero que volte para o barco e me reporte quantas pessoas há a bordo. Fui claro? Estou registrando esse telefonema.

Schettino: Comandante, digo que...

De Falco: Fale mais alto. Coloque a mão na frente do microfone e fale mais alto, ok?

Schettino: No momento o navio está inclinado...

De Falco: Entendi. Olha, há pessoas saindo pela proa do navio, com um bote. Vá naquele bote, volte até lá e me diz quantas pessoas estão a bordo. Fui claro? Me diga se há crianças, mulheres e pessoas que precisem de ajuda. E me dê o número de quaisquer categorias, fui claro? Olha, Schettino, você pode ter se salvado do mar, mas para mim isso é muito ruim... posso fazer você passar por um grande problema! Volte ao barco, c...!

Schettino: Comandante, por favor...

De Falco: Por favor não... vá para o barco agora. Me assegura que está indo para lá.

Schettino: Estou com a lancha de socorro. Não fui a lugar nenhum, estou aqui.

De Falco: Que está fazendo?

Schettino: Estou aqui coordenando o socorro.

De Falco: Está coordenando o que daí? Volte para o barco, coordene o socorro a bordo. Está se recusando?

Schettino: Não, não... não estou me recusando.

De Falco: Está se recusando a ir para o navio, comandante? Me diga por que está fazendo isso.

Schettino: Não estou indo porque a lancha em que estou está parada.

De Falco: Vá para o barco, é uma ordem. Não deve fazer nada diferente disso. Declararam abandono do navio, e agora quem comanda sou eu. Vá para lá! Fui claro? Não está me ouvindo? Vá e me ligue diretamente de lá. O helicóptero está na área.

Schettino: Onde está sua equipe?

De Falco: Está à frente da proa. Já há cadáveres, Schettino.

Schettino: Quantos cadáveres?

De Falco: Não sei, ninguém sabe. Ouviram dizer isso. Deve dizer para mim quantos há, Cristo!

Schettino: Mas está escuro e não conseguimos ver nada!

De Falco: E por que quer voltar para casa, Schettino? Está escuro e quer voltar? Pegue o bote, vá até a proa do navio e diga-me o que se pode fazer, quantas pessoas estão lá e o que precisam. 

Schettino: Estamos com o segundo comandante.

De Falco: Subam no navio os dois, agora. Você e o subcomandante vão agora, entenderam?

Schettino: Comandante, quero subir no navio, mas há outro barco aqui. Já há outros socorristas, o barco parou ali, já chamaram mais gente...

De Falco: Já faz uma hora que está me falando isso! Vá a bordo agora, vá A B-O-R-D-O!!! E me diga imediatamente quantas pessoas estão lá!

Schettino: Está bem, comandante!

De Falco: Vá, vá agora!

Tudo o que sabemos sobre:
NavioConcordiaItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.