Imprensa dos EUA faz análise cautelosa sobre debate

Os principais jornais norte-americanos fizeram análises cautelosas, neste sábado, do primeiro debate presidencial entre o democrata Barack Obama e o republicano John McCain, evitando declarar qual dos dois candidatos foi o vencedor do embate. A exceção foi o The Chicago Tribune, que insistiu na supremacia de McCain.O New York Times considerou, em editorial, que o debate foi, no geral, um alívio dentro da seriedade da campanha presidencial. A publicação argumentou que Obama e McCain se esforçaram para dar um tom civilizado, a despeito das fardas ocasionais. "Os norte-americanos puderam ver diferenças claras começando a surgir entre os candidatos sobre a correção dos desastres regulatórios que levaram à crise de Wall Street, sobre impostos e como lidarão com as guerras do Iraque e do Afeganistão", ponderou o Times.O jornal, no entanto, observou que Obama "visivelmente, dominou a etapa econômica do debate", na medida em que ele defendeu uma revisão geral do sistema regulatório financeiro e a necessidade de ajudar os norte-americanos comuns, assim como os banqueiros. Mas a publicou optou por não nomear o senador de Illinois como o vencedor do debate.O Washington Post focou a sua atenção nas similaridades dos dois candidatos. "Algumas nuances à parte, os dois candidatos, basicamente, têm as mesmas idéias sobre como conter os programas nucleares do Irã e da Coréia do Norte; sobre como responder à agressividade russa em relação aos seus vizinhos; como fazer a guerra no Afeganistão e avançar no processo de paz do Oriente Médio", observou a publicação, em editorial. "A maior diferença entre os dois candidatos pode ser reduzida a uma questão que tem sido pouco discutida: o suporte de McCain e a resistência de Obama a novos acordos comerciais."De acordo com o The Wall Street Journal, o primeiro debate presidencial seguiu, basicamente, o script. "Nenhum dos dois candidatos violou os pontos a serem debatidos, nem fizeram gafes e os dois venceram nos pontos que mais dominam: John McCain, em relação à política internacional, e Barack Obama, sobre assuntos domésticos", disse o Journal.Em um contraponto aos outros grandes jornais, o The Chicago Tribune declarou um vencedor. Na visão do jornal, diante dos números recentes das pesquisas, "McCain tinha que fazer uma apresentação melhor em Mississippi". "E, de uma certa medida, ele conseguiu", opinou o Tribune. "O ponto principal do debate de sexta-feira à noite ocorreu no terreno em que McCain domina melhor: relações exteriores e esforços militares. Isso foi mostrado". As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.