Imprensa egípcia minimiza problemas de saúde de Mubarak

A imprensa egípcia minimizou hoje as preocupações com a saúde do presidente do país, Hosni Mubarak, um dia depois dele ter interrompido por 45 minutos um discurso no Parlamento, transmitido em rede nacional, ao sentir-se mal. Mubarak, de 75 anos, já havia adiado um discurso previsto para o domingo por causa de uma gripe. Ontem, sua voz estava fraca e ele assoava o nariz quando a transmissão foi interrompida, para voltar 45 minutos depois. Segundo o Ministério da Informação, o mal-estar foi causado pelo jejum do mês sagrado do Ramadã e os remédios para a gripe. Hoje, obedecendo a ordens médicas, Mubarak voltou a cancelar outro discurso. Mas o principal jornal do país, que é controlado pelo governo, publicou várias páginas elogiando a boa saúde e a energia do presidente. A manchete foi: "O presidente está bem e com ótima saúde". A presença, ontem, do filho de Mubarak, Gamal Mubarak, na sede do partido governista para tranqüilizar seus membros sobre a saúde do presidente gerou especulações entre analistas estrangeiros sobre a sucessão presidencial no Egito. Gamal, de 40 anos, é visto como substituto natural de seu pai, principalmente depois de sua ascensão meteórica dentro do partido. Hosni Mubarak assumiu o poder no Egito depois do assassinato de Anwar Sadat, do qual era vice, em 6 de outubro de 1981. Desde então, Mubarak nunca indicou um vice-presidente e possui uma força praticamente autocrática, apoiada pelos militares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.