'Imprensa está severamente ameaçada'

Um dos líderes da manifestação pela liberdade de imprensa realiza na sexta-feira em Caracas, o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Imprensa da Venezuela, Marco Ruiz, acredita que a pressão do governo do presidente Nícolas Maduro contra os meios de comunicação deve aumentar com a proximidade das eleições parlamentares. A seguir, os principais trechos da entrevista ao Estado.

ERICH DECAT, ENVIADO ESPECIAL / CARACAS, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2015 | 02h33

Como vê a situação atual da imprensa na Venezuela?

Os grandes meios de comunicação, pelos os quais a maioria dos cidadãos desse país poderiam se informar de forma adequada, estão severamente ameaçados.

Há uma ação direta do governo contra a imprensa?

Têm ocorrido na Venezuela agressões contra trabalhadores de comunicação. Por exemplo, só em 2014 houveram 350 agressões sendo que 70% delas foram cometidas pela força policial.

A aproximação das eleições pode agravar a situação?

Historicamente na Venezuela, aumentam as agressões contra trabalhadores dos meios de comunicação em época eleitoral. O governo nacional, pela primeira vez em quase 15 anos, não tem o apoio majoritário dos cidadãos. Isso pode de certa maneira fazer com que se recrudesça a violência.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.