Suhaib Salem/Reuters
Suhaib Salem/Reuters

Inaugurado o 1º Parlamento egípcio da era pós Mubarak

Maioria islamita controla três quartos da Câmara Baixa ou Assembleia do Povo

Efe,

23 de janeiro de 2012 | 09h23

CAIRO - O primeiro Parlamento egípcio da era pós Hosni Mubarak abriu nesta segunda-feira, 23, as sessões com grande maioria islamita, que controla três quartos da Câmara Baixa ou Assembleia do Povo, após a realização das eleições legislativas.

A sessão começou às 11h (7h de Brasília) e está sendo transmitida ao vivo pela televisão estatal egípcia.

"Abrimos a primeira sessão da Câmara Baixa e pedimos luta em solidariedade aos mártires. Agradecemos aos feridos da revolução que arriscaram suas vidas pelo Egito", disse o membro mais velho do Parlamento e deputado do partido liberal Wafd, Mahmoud Al Saqa, que presidiu a sessão.

Na cerimônia, os parlamentares fizeram um minuto de silêncio pelas vítimas da Revolução de 25 de Janeiro, que completará um ano dentro de dois dias.

Depois, foram lidas as resoluções adotadas pelo Conselho Supremo das Forças Armadas, que governa o país desde a queda do regime de Hosni Mubarak em fevereiro, referentes à convocação de eleições legislativas e a primeira sessão do Parlamento.

Um a um, os deputados, nomeados por Saqa, juraram seus cargos na sessão histórica, que teve de ser interrompida em várias ocasiões por Saqa para impedir que deputados se estendessem demais em seu juramento.

O novo Parlamento tem 508 cadeiras, das quais 498 foram escolhidas nas urnas e dez nomeadas diretamente pela Junta Militar.

O Partido da Liberdade e Justiça (PLJ), braço político da Irmandade Muçulmana, é a formação majoritária com 235 cadeiras; seguida pelos salafistas do Al Nour com 123 assentos; e a terceira é o Wafd, o partido mais antigo do Egito, que conseguiu 38 deputados.

Nesta segunda será escolhida a mesa diretora da Câmara, que, como decidiram na semana passada os principais partidos, será dirigida pelo islâmico Saad Al Katatni, do PLJ, enquanto as duas vice-presidências serão assumidas por um membro do Al Nour e outro do Wafd.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeEgitoMubarak

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.