Incendiado consulado da Dinamarca em Beirute

Manifestantes que protestavam contra caricaturas do profeta Maomé publicadas em jornais europeus atearam fogo ao consulado da Dinamarca em Beirute, capital do Líbano. Forças de segurança usaram gás lacrimogêneo na multidão e dispararam tiros para o ar, numa tentativa desesperada de conter a violência. Há informação de baixas, incêndios e depredação em meio ao caos, um dia depois de manifestantes terem incendiado as embaixadas da Dinamarca e da Noruega na Síria, país vizinho ao Líbano. Milhares de manifestantes tomaram parte no protesto, que degenerou em violência quando extremistas islâmicos tentaram passar pela barreira de segurança, o que levou a tropa de choque a usar gás e canhões de água. O grão-mufti Mohammed Rashid Kabbani denunciou a violência, dizendo que há gente infiltrada nas manifestações, com o objetivo de " prejudicar a estabilidade do Líbano". Falando a um canal de televisão, ele pediu calma e disse que há figuras tentando "explorar" os protestos e "distorcer a imagem do Islã".Forças de segurança dizem que pelo menos 18 pessoas ficaram feridas, incluindo policiais, bombeiros e manifestantes. Testemunhas dizem ter visto pelo menos 10 pessoas sendo socorridas por ambulâncias. A crise ameaçou assumir as proporções de uma luta entre religiões, especialmente depois que alguns manifestantes começaram a apedrejar uma igreja cristã maronita. Religiosos islâmicos tentavam deter a depredação do templo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.