Joseph Eid / AFP
Joseph Eid / AFP

Incêndio atinge região portuária de Beirute um mês após explosão

Novo incidente no porto da capital libanesa assustou trabalhadores, que fugiram a pé do local; agência estatal diz que armazém de pneus foi consumido pelas chamas

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 08h44

Um novo incêndio atingiu a área portuária de Beirute na manhã desta quinta-feira, 10, pouco mais de um mês depois das explosões que devastaram a capital libanesa. Densas colunas negras de fumaça puderam ser observadas de outros pontos da cidade, surgindo entre os prédios.

De acordo com a mídia estatal, o incêndio desta quinta atingiu um armazém de pneus. No entanto, o governador de Beirute, Marwan Abboud, recomendou que os cidadãos evitassem a região do porto para não atrapalhar o trabalho dos bombeiros e como medida de segurança.

Até o momento, a causa do incêndio não foi esclarecida.

Vídeos publicados nas redes sociais pela agência de notícias Arab News, especializada na cobertura de Oriente Médio, mostram o Porto de Beirute no momento do incêndio. Em um dos vídeos, trabalhadores do porto correm para longe das chamas.

O Líbano ainda tenta se recuperar das explosões do dia 4 de agosto, que devastaram a capital do país, matando 190 pessoas e deixando milhares de feridos. A detonação foi causada após o incêndio de um armazém que estocava 2.750 toneladas de nitrato de amônio de forma irregular.

Na semana passada, o Exército libanês encontrou um outro carregamento, de 4,35 toneladas da substância perto da entrada 9 do porto. Na época, as Forças Armadas não esclareceram a origem do produto inflamável, mas informaram que o material foi transferido para um lugar seguro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.