Incêndio em Lima deixa pelo menos 60 mortos

Pelo menos 60 pessoas morreram e quase 90 ficaram feridas com queimaduras e quadros de asfixia este sábado, em Lima, capital peruana, em conseqüência de um incêndio de grandes proporções que destruiu um prédio comercial, duas casas vizinhas e dezenas de automóveis no centro histórico da cidade. As informações são da Agência EFE.O incêndio teve início por volta das 17h30 (horário local, 20h30 de Brasília), em um edifício onde havia várias lojas que vendiam, de maneira irregular, artefatos pirotécnicos. Aparentemente, o edifício era vizinho a um estacionamento de carros. Augusto Vegas, um comerciante da área, informou que o incêndio começou com o estouro de fogos de artifício vendidos por ambulantes, na entrada da galeria. Vegas disse também que o fogo se expandiu em pouquíssimos segundos e que muitas pessoas ficaram presas nos pisos superiores do edifício.Os bombeiros enviaram mais de dez veículos ao local, para tentar apagar as chamas, e a polícia mobilizou dezenas de efetivos para evitar saques na área, de grande movimento comercial durante as festas de fim de ano. O trabalho de extinção do incêndio e controle das chamas é difícil, por falta de água. Voluntários estão trabalhando em cinco frentes, utilizando cerca de 40 veículos.Os bombeiros não descartaram a possibilidade de que o número de mortos aumente. As rádios de Lima ressaltam que esse número pode passar de uma centena. A maioria das vítimas é de clientes que compravam fogos de artifício para utilizar nas festas de final de ano.O presidente Alejandro Toledo informou em uma nota que "lamenta profundamente a perda de vidas humanas? decidiu declarar luto nacional oficial nos dias 30 e 31 de dezembro. Expressou, além disso, ?suas mais sentidas condolências aos familiares das vítimas? e deu instruções aos Ministérios de Saúde, Interior e Presidência para que ajam nas buscas. A nota confirmou que o presidente decidiu suspender uma viagem que realiza pelo norte do país para regressar a Lima e ir à área do centro histórico da capital onde aconteceu o incêndio.O ministro do Interior do Peru, Fernando Rospigliosi, disse que a tragédia ocorrida na noite deste sábado no centro de Lima pode levar à proibição da venda de fogos de artifício no país, para evitar que uma tragédia como essa se repita. Nesta época, segundo dados divulgados pelas autoridades peruanas, cerca de 900 toneladas de fogos de artifício são comercializadas no país sem que uma rigorosa fiscalização discipline esse comércio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.