Philippe Wojazer/Pool via AP
Philippe Wojazer/Pool via AP
Imagem Gilles Lapouge
Colunista
Gilles Lapouge
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Incêndio em Notre-Dame cala a história em forma de pedras

É espantoso que nenhum general ou caudilho jamais tenha ameaçado a catedral

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2019 | 05h00

Era um silêncio infinito. Desde que as TVs anunciaram que a catedral de Notre-Dame de Paris estava em chamas, mulheres, homens, crianças, convergiram para a Île de la Cité para acompanhar o drama. Em silêncio. Havia parisienses, franceses, chineses, americanos, russos, todos de olhar incrédulo. Era como um sonho paralisado. Um dos mais poderosos monumentos da Europa virara uma tocha. 

No entanto, quando a flecha de 90 metros dobrou-se em chamas, as palavras voltaram. A multidão murmurava, como se bruscamente se desse conta de que se tratava de um pesadelo real, um acontecimento irrefutável que passaria a fazer parte do ser de cada uma das testemunhas, do se ser de todo um povo. 

Ouviam-se choros e preces. Pessoas que nunca se haviam visto se abraçavam. As informações eram trocadas. Soube-se que todos ou quase todos os chefes de Estado expressaram sua emoção, sua dor. Donald Trump, presidente dos EUA, foi dos primeiros. Ele não se contentou em manifestar solidariedade, mas juntou em sua mensagem um conselho lapidar, definitivo: “Não vejo um número suficiente de bombeiros. Por que vocês não mandaram alguns aviões carregados de água? O combate terminaria em minutos.

Os responsáveis responderam: “Poucos bombeiros? São 400! Quanto a bombardear a catedral com água, teria sido o melhor meio de explodir as milhões de toneladas de material que compõem esse edifício imenso e fazer do mais belo monumento da Europa um monte de cinzas”. Caro sr. Trump, é bom rever seu manual de socorro a igrejas em chamas.

À noite, a catedral de Paris lembrava um bloco de ouro fundido, com seus quadros, chiaroscuros de Rembrandt e delírios surrealistas suficientes para fazer um filme de terror, ou ainda, depois que uma parede desmoronou e só sobraram as vigas de aço dos andaimes, um cenário delirante de Piranese. 

A multidão era formada principalmente por franceses, mas havia um grande número de estrangeiros, de origem variada: italianos, judeus, alemães, ingleses, brasileiros, e ainda chineses, indianos e representantes de todas as religiões: budistas, muçulmanos, católicos, ortodoxos, animistas e ateus.

Por uma noite, unido pela tristeza, o mundo se tornou a aldeia universal com a qual alguns utopistas sonham em vão desde o início dos tempos. Houve umas poucas notas desafinadas. O hebdomadário satírico Charlie Hebdo, famoso por seus desenhos idiotas, achou engraçado sair com um título debochado. Foi decepcionante. Os ignorantes não entenderam que se desenrolava ante seus olhos um imenso momento da história da França e da Europa. 

Em um espaço de três horas, vimos desabar para o nada esse edifício cujas primeiras fundações tinham mil anos e às quais se somaram elementos posteriores, como a alta flecha (o pináculo) acrescentada pelo o grande arquiteto Viollet-le-Duc, no século 19.

Paira sobre a catedral um grande mistério: plantada no coração de Paris, na França, mas também no coração de um continente guerreiro, furioso, belicoso, marcado por revoluções e motins, é espantoso que nenhum general ou caudilho jamais a tenha ameaçado. 

O próprio Hitler não ousou fazer isso. E eis que neste 15 de abril de 2019, a poucos dias da Semana Santa, a imprudência, talvez de um operário, chacina a maravilha e a reduz a escombros. Sem dúvida, reconstruiremos a Notre-Dame, em 10, 20, 30 anos, mas jamais poderemos dizer acariciando uma pedra: “Um gesto como este um homem ou uma mulher já fez mil anos atrás”.

Mil anos de história estão escritos nessas paredes. No coração da capital, e mesmo no” ponto zero” do território francês, Notre-Dame de Paris é um resumo patético da história da França. Ela testemunhou, no século 16, o casamento do rei Henrique IV, que tentou reconciliar católicos e protestantes. 

Poucos dias depois, no massacre de São Bartolomeu, o Rio Sena, que corre aos pés da Notre-Dame, tingiu-se com o sangue de católicos e reformistas. Mais tarde, na Revolução Francesa, de 1789, o furor antirreligioso fez da catedral um depósito deixado ao abandono.

Napoleão Bonaparte se fez coroar imperador na Notre-Dame de Paris. Os reis voltaram, mas, em 1870, após a vitória da Alemanha contra a França, os comunas rebelados se apoderaram de novo da Notre-Dame. No século 19, o grande Vitor Hugo escreveu um romance, O Corcunda de Notre-Dame, que seria seguidamente adaptado para o cinema americano. 

Em 1944, quando a França foi libertada dos alemães, o general Charles de Gaulle chegou a Paris. Ele pediu um Te Deum na catedral, enquanto os últimos colaboracionistas franceses dos nazistas, entrincheirados em prédios próximos, atiravam contra ele. Foi um pânico na nave principal. Ministros, conselheiros, agregados, padres, todos se achataram sob os bancos como linguados. De Gaulle, sozinho, imenso, prosseguiu lentamente, no mesmo passo, até o altar.

Na Idade Média, o estilo gótico, atulhado de estátuas, gárgulas, arcos e cenas do Antigo Testamento ou dos grandes momentos da história dos reis, era utilizado pelos padres para ensinar a Bíblia aos fiéis que não sabiam ler. A catedral de Notre-Dame era uma Bíblia de pedra. Agora, destruídas pelo fogo, essa Bíblia, essa história em pedra, emudeceram. / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.