Incêndio em petroleiro francês pode ter sido atentado

O Limbourg, superpetroleiro francês comcapacidade para 500 mil toneladas de petróleo bruto, vaga à deriva ao longo da costa do Iêmen. O fogo tomou conta do navio no domingo depois que uma explosão violenta abriu um buraco devários metros no casco.Difícil não imaginar a mão de grupos terroristas ligados a Al-Qaeda nesse episódio. Em primeiro lugar, o chefe da Al-Qaeda, Bin Laden, organizador (vivo ou morto?) do massacre de 11 desetembro de 2001 em Nova York e Washington viveu no Iêmen. Foi de lá e da Arábia Saudita que saíram os principais fanáticos islâmicos responsáveis pela destruição das torres gêmeas.Em segundo lugar, a explosão do petroleiro ocorreu em 6 de outubro, exatamente um ano depois que Bush deu início à guerra no Afeganistão. Em terceiro lugar, os integrantes da Al-Qaedasempre deram muita importância aos petroleiros e às rotas marítimas entre a Arábia e o resto do mundo por onde transita o petróleo, que é o combustível da máquina industrial do Ocidente.Há um mês, a marinha americana havia advertido todos os petroleiros sobre a possibilidade de ataques terroristas na região organizados pela Al-Qaeda. Foi também no Iêmen, no porto de Áden, que o destróier americano USS Cole foi atacado há doisanos (em 12 de outubro de 2000), matando 17 militares americanos.O Iêmen, que no passado manteve excelentes relações com os fanáticos islâmicos, aproximou-se dos americanos no intuito de participar da guerra antiterror deflagrada pelos EUA. O presidente Ali Abdallah Saleh multiplicou nas últimas semanas asprisões de supostos terroristas, dando mostras assim de que teria se distanciado de seus velhos amigos islâmicos.Contudo, sua situação é precária, mais ou menos como a do general Musharraf, do Paquistão, uma vez que o Iêmen está todo tomado por islâmicos. Além disso, numerosas instituições oficiais dopaís contam em seus quadros com elementos islâmicos.Por fim, os primeiros testemunhos são unânimes em suas declarações: de um lado, temos um superpetroleiro, um veículo ultramoderno, construído há apenas dois anos e equipado comduplo casco. Por outro, várias testemunhas afirmam ter visto um pequeno barco avançando a toda velocidade na direção do imenso navio pouco antes da explosão.A despeito de todas as suspeitas, as autoridades mantêm-se cautelosas.O ministro das Relações Exteriores da França evita fazer qualquer acusação. De igual modo, uma sondagem realizada nesta segunda-feira por especialistas vindos de Paris não chegou a nenhuma conclusão definitiva. Quanto ao governo do Iêmen, as autoridades insistem em que o episódio foi conseqüência de um acidente ocorrido no próprio navio, não se tratando, portanto, de atentado.Os EUA endossaram a explicação. Não é uma opinião convincente, o que mostra claramente que o presidente Saleh não pode se dar ao luxo de acusar abertamente seus inimigos da Al-Qaeda.No Parlamento do Iêmen, são constantes as denúncias de opositores à política antiterror do presidente Saleh. Ele é acusado de multiplicar as operações armadas nas zonas tribais enas montanhas distantes e pouco acessíveis do país. Acredita-se que isso se deva ao fato de que tais regiões abrigam centenas de membros da Al-Qaeda e vários chefes dessa organizaçãoassassina.De tempos em tempos, surge uma agência ou uma pessoa bem informada "com informações seguras de que Bin Laden e membros de seu estado-maior estariam escondidos nessas regiões. Outrasfontes dão conta de que Washington prepara uma manobra bélica clandestina em Djibuti. De acordo com a ABC, 800 soldados americanos do Comando Delta já estariam de prontidão, escoltadospor dez helicópteros.Autoridades iemenitas negam a informação. Alguns, inclusive, chegaram a afirmar que não aceitariam jamais a execução de manobras militares americanas em seu território. A Al-Qaeda sempre suscitou muitas hipóteses, rumores e mitos.Será que os atuais têm fundamento?O certo é que a névoa terrorista e islâmica, seja ela procedente da Al-Qaeda ou de outras organizações secretas, é imensa e muito ativa. Cortar todos os tentáculos desse polvo não será nada fácil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.