Scott Heins/Getty Images/AFP
Scott Heins/Getty Images/AFP

Incêndio em prédio residencial deixa ao menos 19 mortos em Nova York

Ao menos nove crianças estão entre as vítimas de um incêndio em um apartamento no Bronx; mais de 60 pessoas ficaram feridas

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2022 | 18h02

Ao menos 19 pessoas, incluindo nove crianças, morreram este domingo, 9, em um incêndio em um prédio residencial no Bronx, em Nova York, nos Estados Unidos. As autoridades descreveram este como um dos piores incêndios da cidade.

O incêndio começou pouco antes das 11h locais (13h de Brasília) em um apartamento duplex nos segundo e terceiro andares do prédio, segundo o Corpo de Bombeiros. De acordo com a imprensa local, mais de 60 pessoas ficaram feridas, incluindo 32 gravemente.

O comissário dos bombeiros, Daniel Nigro, disse que o incêndio “começou em um aquecedor elétrico com defeito”. Os bombeiros chegaram em três minutos e encontraram uma fumaça que se estendia por toda a altura do prédio de 19 andares, disse Nigro. Ele acrescentou que “as condições de fumaça neste prédio eram sem precedentes” e que as vítimas sofreram forte inalação de fumaça.

Equipes que entraram no prédio encontraram vítimas em todos os andares e muitas tiveram parada cardiorespiratória, disse ele. Aproximadamente 200 bombeiros foram deslocados para a ocorrência.

“Os números são horríveis”, disse o prefeito Eric Adams em uma entrevista coletiva na tarde deste domingo. “Este será um dos piores incêndios que testemunhamos nos tempos modernos”.

Stefan Ringel, um conselheiro sênior do prefeito de Nova York Eric Adams, disse que as crianças mortas tinham 16 anos ou menos. Treze pessoas permaneceram hospitalizadas em estado crítico, disse Ringel.

Alguns residentes, presos em seus apartamentos, quebraram as janelas para respirar e colocaram toalhas molhadas sob as portas. Muitos dos residentes do prédio eram originários da Gâmbia, na África Ocidental, disse o prefeito, e havia uma grande comunidade muçulmana.

O comissário Nigro disse que a porta do apartamento onde o incêndio começou foi deixada aberta, o que ajudou a alimentar o fogo e permitiu a propagação da fumaça. “Nós espalhamos a ordem: 'feche a porta, feche a porta,'” para conter o fogo, disse ele.

A moradora do prédio Cristal Diaz, 27, disse ao jornal "New York Post" que começou a colocar toalhas molhadas na parte inferior da porta após sentir o cheiro de fumaça enquanto bebia café em sua sala de estar. “Tudo estava uma loucura”, disse ela. “Não sabíamos o que fazer. Olhamos pelas janelas e vimos todos os mortos que estavam levando com os cobertores.”

O morador do prédio, Luis Rosa, disse que foi acordado no domingo por um alarme de incêndio, mas o descartou a princípio, pensando que era um dos alarmes falsos periódicos do prédio. Mas quando uma notificação apareceu em seu telefone, ele e sua mãe começaram a se preocupar. A essa altura, a fumaça começou a soprar em seu apartamento no 13º andar e ele ouviu sirenes à distância.

Ele abriu a porta da frente, mas a fumaça havia ficado muito densa para uma fuga, disse ele. “Assim que abri a porta, não consegui ver muito longe no corredor”, disse Rosa à "Associated Press". "Então eu disse: OK, não podemos descer as escadas correndo porque, se descermos correndo, vamos acabar sufocando. Tudo o que podíamos fazer era esperar.”

Outra moradora, Vernessa Cunningham, disse que saiu correndo da igreja para casa depois de receber um alerta em seu celular de que o prédio estava pegando fogo.

“Eu não conseguia acreditar no que estava vendo. Eu estava em choque ”, disse Cunningham, 60, de uma escola próxima, onde alguns residentes se reuniram. “Eu podia ver meu apartamento. As janelas estavam todas quebradas. E eu pude ver as chamas vindo da parte de trás do edifício. ”

Prédios antigos e sem preparação para incêndios

O prédio de 120 apartamentos é um dos vários edifícios do complexo Twin Parks Northwest e foi construído em 1973 como parte de um projeto para criar moradias modernas e acessíveis em todo o Bronx. 

Na tarde de domingo, tudo o que restou visível da unidade foi um buraco chamuscado onde as janelas explodiram. Apartamentos até o 12º andar também tinham janelas quebradas. O cruzamento estava lotado de carros da polícia e bombeiros, e os curiosos ainda tiravam fotos da estrutura com seus celulares enquanto a escuridão caía.

“Não há garantia de que haja um alarme de incêndio funcionando em todos os apartamentos ou em todas as áreas comuns”, disse o deputado norte-americano Ritchie Torres, um democrata que representa a área, à AP. “A maioria desses prédios não tem sistema de sprinklers. E assim o estoque de moradias do Bronx é muito mais suscetível a incêndios devastadores do que a maioria do estoque de moradias na cidade. ”

Nigro e Torres compararam a gravidade do ocorrido a um incêndio em 1990 no clube social Happy Land, onde 87 pessoas morreram quando um homem ateou fogo ao prédio depois de entrar em uma discussão com sua ex-namorada e ser expulso do clube do Bronx. O número de mortos deste domingo já é o maior em um incêndio na cidade desde o incêndio de Happy Land.

É também o incêndio mais mortal em um prédio residencial nos Estados Unidos desde 2017, quando 13 pessoas morreram em um edifício de apartamentos, também no Bronx, de acordo com dados da National Fire Protection Association.

O incêndio começou com um menino de 3 anos brincando com o fogão e levou a várias mudanças na lei na cidade de Nova York, incluindo ao fazer com que o corpo de bombeiros criasse um plano para educar crianças e pais sobre segurança contra incêndios, além de exigir a instalação de portas de fechamento automático em edifícios residenciais

O incêndio deste domingo aconteceu poucos dias depois que 12 pessoas, incluindo oito crianças, morreram em um incêndio em uma casa na Filadélfia. O incêndio mais mortal antes disso foi em 1989, quando chamas em um edifício no Tennessee tirou a vida de 16 pessoas./AP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.