Dmitry Saturin/REUTERS
Dmitry Saturin/REUTERS

Incêndio em shopping na Rússia deixa ao menos 64 mortos

Fogo teria começado em uma sala de cinema e se alastrado pelos andares sem que os alarmes fossem acionados, disseram sobreviventes

O Estado de S.Paulo

25 Março 2018 | 18h12
Atualizado 26 Março 2018 | 16h13

MOSCOU - Ao menos 64 pessoas morreram, incluindo 9 crianças, no incêndio em um shopping no domingo 25 em Kemerovo, na Rússia, cidade a 3,6 mil km de Moscou. Dezenas ainda estão desaparecidas.

+ Incêndios letais pelo mundo

+ Incêndio em condomínio residencial deixa ao menos 13 mortos no Vietnã

Segundo testemunhas, o fogo teria começado em uma sala de cinema do shopping, de onde foi retirada a maior parte dos corpos. Em pelo menos duas salas, o teto desabou. Ao menos 13 corpos foram encontrados em uma saída de emergência que estava trancada, segundo Vladimir Chernov, vice-governador da região.

+ Incêndio causa mortes em complexo hoteleiro em Manila

+ Explosão em prédio na cidade britânica de Leicester deixa quatro mortos e quatro feridos

Os serviços de emergência e os bombeiros continuam procurando vítimas entre os escombros do centro comercial. Vídeos divulgados nas redes sociais mostravam pessoas pulando das janelas, tentando escapar das chamas. Em uma das imagens, um homem tentava arrebentar uma saída de emergência enquanto a escadaria pegava fogo. 

Pela TV, era possível ver uma coluna de fumaça preta que subia, enquanto os bombeiros tentavam controlar o incêndio. Equipes de emergência conseguiram retirar do prédio cerca de 120 pessoas, de acordo com a agência de notícias Tass.

O incêndio começou à tarde e os bombeiros levaram 12 horas para conter o fogo. Parte do prédio de 1,6 mil m² foi completamente destruída. Segundo os serviços de emergência de Kemerovo, 43 pessoas ficaram feridas e foram atendidas em hospitais da cidade.

Não há informações oficiais sobre as causas do incêndio. Segundo os relatórios da agência russa, ainda não se sabe se as vítimas morreram pela inalação de fumaça ou por causa de queimaduras.

O presidente russo, Vladimir Putin, expressou "profundas condolências" aos parentes das vítimas, anunciou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Negligência

O governo local, que anunciou três dias de luto, afirmou que encontrou "diversas violações" das normas de segurança no shopping, incluindo a ausência de sinalização em caso de incêndio e as saídas de emergência fechadas na sala de cinema onde a tragédia teve início. "A questão é saber por quê as portas estavam fechadas", disse o vice-governador da região, Vladimir Chernov.

A Rússia anunciou a abertura de uma investigação criminal e a detenção de quatro pessoas, incluindo o homem que alugou o local onde o incêndio foi registrado e um diretor da empresa que administra o shopping. A tragédia provocou danos de quase três bilhões de rublos (€ 42,6 milhões).

"A causa do incêndio é negligência. A falta de respeito às normas é a causa catastrófica da desgraça que vemos hoje", declarou Anna Kuznetsova, secretária dos Direitos da Infância. "Estes centros comerciais existem em quase todas as regiões. Este drama é um sinal para verificar a segurança de todos", completou.

Drama familiar

Algumas crianças presas entre as chamas conseguiram entrar em contato com os pais ou amigos por meio de redes sociais. “Estamos pegando fogo. Provavelmente, adeus”, escreveu uma garota de 13 anos no VKontakte, a versão russa do Facebook. A adolescente estava entre os desaparecidos.

Anna Zarechneva, que estava no shopping com o marido e o filho, disse que, quando o incêndio começou, não houve qualquer alarme e a sessão de cinema continuou como se nada estivesse acontecendo. “O terceiro andar ficou às escuras. As pessoas entraram em pânico. As crianças choravam”, escreveu ela em uma mensagem no Instagram.

Inaugurado em 2013, o shopping tem um centro infantil e um pequeno zoológico, além de cinemas, restaurantes e lojas. / AP, REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.