Incêndio em trem deixa 373 mortos no Egito

Um trem de passageiros incendiou-se na madrugada desta quarta-feira quando se dirigia doCairo para a região sul do Egito, causando a morte de pelo menos373 pessoas. Segundo um funcionário da Defesa Civil egípcia, o tenenteAmin Karam, o número de mortos "seguramente aumentará" àmedida que as equipes de resgate forem vasculhando os restoscalcinados de sete dos 11 vagões da composição. De acordo com apolícia, 65 pessoas estão internadas em hospitais por causa dosferimentos. O diretor da estatal Autoridade Ferroviária Egípcia, Ahmedal-Sherif, disse à Associated Press que trata-se do pioracidente ferroviário em várias décadas no Egito. "Trabalho nasferrovias há 32 anos e nunca vi coisa parecida", afirmou. O trem, em chamas, percorreu ainda cerca de quatroquilômetros em alta velocidade. Muitas pessoas desesperadasmorreram ao saltarem dos vagões que se incendiavam. A agência de notícias oficial egípcia Middle East News Agency(MENA) informou que a causa do acidente pode ter sido a explosãode um cilindro de gás de cozinha. Entretanto, al-Sherif indicouque a causa ainda não fora determinada. Mas avisou: "Se houvenegligência, os culpados serão punidos severamente". Al-Sherif acrescentou que o trem, considerado de terceiraclasse, não dispunha de restaurante, embora vários passageiroslevassem com freqüência botijões de gás para preparar a própriacomida, apesar de esta ser uma prática proibida. Segundo a agência MENA, o presidente do Egito, Hosni Mubarak,que se encontra no balneário egípcio de Sharm el Sheik,expressou "sua mais profunda dor" às famílias das vítimas. Cada vagão tem capacidade para 150 passageiros, mas, segundoa polícia, transportava o dobro deste número, o que significaque cerca de 3.000 pessoas viajavam na composição durante atragédia. Segundo alguns sobreviventes, o trem estava tão lotadoque havia pessoas sentadas no piso. Ainda de acordo com al-Sherif, o trem deixou o Cairo comdestino a Luxor, um trajeto de 480 quilômetros, às 23h30(horário local) de ontem. O incêndio, segundo ele, começou umahora e meia depois. Depois de percorrer cerca de quatroquilômetros em chamas, o trem parou em Reqa al-Gharbiya, umaaldeia situada a 95 quilômetros ao sul do Cairo. Al-Sherif nãosoube informar por que os freios de emergência não foramimediatamente acionados. O incêndio foi originado aparentemente no quarto vagão, quefoi o mais danificado pelo fogo. As chamas alcançaram sete dos11 vagões antes de serem dominadas, cerca de duas horas depois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.