Incêndio mata mais de 100 em prisão hondurenha

Um curto-circuito causado pelo motor superaquecido de um refrigerador deu início a um incêndio que rapidamente se espalhou por um pavilhão penitenciário superlotado nesta segunda-feira (17), causando a morte por asfixia de 103 detentos mantidos em um presídio no norte de Honduras. Centenas de familiares desesperados foram para a porta da prisão em busca de informações sobre seus entes queridos. Enquanto isso, agentes penitenciários posicionavam os corpos das vítimas do incêndio em fila no chão, expondo as tatuagens nos braços dos detentos mortos. Mais tarde, os cadáveres foram removidos e transportados em caminhões refrigerados para outros locais. O vice-presidente de Honduras, Vicente Williams, e os secretários de defesa e interior viajaram imediatamente para San Pedro Sula, 180 quilômetros ao norte de Tegucigalpa. Em Roma, o presidente de Honduras, Ricardo Maduro, disse à The Associated Press que interromperia sua visita oficial à Europa por causa do incêndio - a mais recente tragédia a afetar o antiquado e superlotado sistema penitenciário hondurenho. Menos de um ano atrás, uma briga entre facções rivais resultou na morte de 70 pessoas, inclusive agentes penitenciários e visitantes, em uma penitenciária de Honduras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.