Stephen Lam/ Reuters
Stephen Lam/ Reuters

Incêndio na Califórnia mata 9 e avança rapidamente; milhares foram retirados

Nomeado Camp Fire, o fogo atingiu área a 140 quilômetros da capital Sacramento e a 280 quilômetros da área da baía de São Francisco

O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2018 | 01h34
Atualizado 10 Novembro 2018 | 04h23

CALIFÓRNIA, EUA - Nove pessoas morreram em um novo incêndio na Califórnia, batizado de Camp Fire, que começou na madrugada desta quinta-feira, 8, no norte do Estado, nos EUA,  já atingiu quase 362 quilômetros quadrados e pelo menos 6,7 mil estruturas - a maioria delas residências. As chamas, que também atingem o sul da Califórnia, forçaram a retirada de mais de 200 mil pessoas de suas casas no Estado, segundo as autoridades estaduais.

Autoridades do Condado de Butte informaram todas as vítimas foram encontradas mortas na cidade de Paradise, de 26 mil habitantes. Quatro pessoas foram encontradas dentro de veículos tomados pelas chamas, outra do lado de fora de um carro, três do lado de fora de suas residências e apenas uma dentro de casa. No total, foram recebidas 35 notificações de pessoas desaparecidas.

De acordo com o Departamento Florestal e de Proteção contra Incêndios da Califórnia (Calfire), estão ativas ordens de retirada em Pulga e Concow, no condado de Butte; nas zonas rurais de Butte Creek Canyon e Butte Valley; e no município de Chico, de 93.000 habitantes. As áreas atingidas ficam a cerca de 145 quilômetros ao norte da capital do Estado, Sacramento, e a 280 quilômetros da área da baía de São Francisco, até onde pode ser vista a fumaça.

Vários edifícios foram destruídos e algumas pessoas e bombeiros sofreram queimaduras graves. O porta-voz do Calfire, Scott Maclean, afirmou que pode levar dias até que mais vítimas sejam descobertas. "Esse fogo se moveu tão rapidamente e cresceu tão rápido, que um monte de pessoas foi pega por ele", disse.

O vereador da Câmara Municipal de Paradise, Scott Lotter, declarou ao jornal The Sacramento Bee que "a cidade inteira está em chamas" e descreveu um cenário de "horror e caos", no qual as estradas se encontram obstruídas por acidentes no trânsito e por carros abandonados. Os cidadãos de Paradise abandonaram tudo e fugiram do Camp Fire com crianças e animais de estimação no colo. Uma mulher presa no carro entrou em trabalho de parto, afirmou o jornal local Enterprise-Record. "A cidade está devastada, tudo está destruído. Não há muita coisa sobrando", disse Maclean.

Equipes de resgate usam escavadeiras para tirar os carros das estradas e liberar o acesso para que sejam retirados os pacientes do Hospital Feather River, engolido pelas chamas.  Autoridades afirmam que o edifício foi totalmente destruído.

Esse novo incêndio na Califórnia começou na primeira hora da madrugada e se propagou rapidamente por um terreno muito seco e com a ajuda dos fortes ventos de até 80 quilômetros por hora que sopram na região.

A maior companhia fornecedora de gás e eletricidade da Califórnia, a PG&E, informou o corte do fornecimento a 14.000 moradores nos condados de Butte e Plumas, a pedido dos bombeiros, para garantir a segurança.

Incêndios na Califórnia

Os incêndios de grandes proporções na Califórnia são cada vez mais frequentes e violentos. De acordo com registros oficiais, quatro dos cinco mais destrutivos da história do Estado ocorreram nos últimos seis anos.

Em setembro, os bombeiros controlaram o incêndio Mendocino Complex, que começou em julho e foi considerado o maior da história da Califórnia. / EFE, Reuters AP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.