Incêndio na região de Los Angeles está 49% controlado

O lado oeste do incêndio que atinge o norte de Los Angeles está sob controle neste sábado. O fogo seguia para o leste, em direção a uma área inabitada.

AE-AP, Agencia Estado

05 de setembro de 2009 | 19h40

Enquanto isso, os investigadores tentam determinar o que deu início ao fogo que matou dois bombeiros, destruiu pelo menos 76 casas e queimou mais de 620 quilômetros quadrados da Angeles National Forest.

O local onde o incêndio teve início, na estrada Angeles Crest, continua isolado enquanto das autoridades procuram mais pistas sobre o caso, mas há hesitação em divulgar as descobertas para os meios de comunicação.

"Incendiários não são burros. Eles sabem ler", disse a comandante de serviços florestais, Rita Wears, que supervisiona os agentes federais que investigam o incêndio. "Eu tenho de ser cuidadosa."

O incêndio, um dos maiores história do sul da Califórnia, estava 49% controlado na tarde deste sábado depois que os bombeiros ergueram linhas de proteção no lado noroeste, perto de Santa Clarita, informou o porta-voz do serviço florestal, Jan Ulrich.

Os bombeiros tentavam diminuir a velocidade do fogo para o leste, na direção de San Gabriel, e proteger o lado sudeste, ao norte de Monróvia e de outras comunidades ao pé das montanhas. Nenhuma casa está ameaçada, disse Ulrich.

O Mount Wilson, que abriga um observatório histórico e pelo menos 20 antenas de televisão, rádio e telefonia celular, parece protegido, depois de as chamas terem chegado perigosamente perto nesta semana.

Os bombeiros gastaram US$ 37 milhões para combater o fogo, iniciado em 26 de agosto, que queimou 62.590 hectares.

Pelo menos doze investigadores estavam trabalhando na análise de pistas encontradas nas encostas perto da estrada Angeles Crest Highway, dentre eles material incendiário encontrado no local. Eles disseram que o incêndio foi criminoso, mas ainda investigam quem e como ele foi provocado.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAincêndios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.