REUTERS/Rodrigo Garrido
REUTERS/Rodrigo Garrido

Incêndio no Chile atinge pelo menos 100 casas

Chamas atingiram cidade costeira de Valparaíso, a cerca de 100 quilômetros da capital, Santiago; ministro do Interior informou que ao menos 19 pessoas ficaram feridas e mais de 400 moradores da região foram forçados a deixar suas casas

O Estado de S. Paulo

03 Janeiro 2017 | 15h38

SANTIAGO - Um grande incêndio atingiu a cidade costeira chilena de Valparaíso na noite de segunda-feira, 2, queimando pelo menos 100 casas e levando à remoção de cerca de 400 pessoas, em meio a uma grande coluna de fumaça que se espalhou pelo ar.

O ministro do Interior do Chile, Mahmud Aleuy, disse em comentários na televisão que 19 pessoas haviam ficado levemente feriadas e um total de 500 casas estavam em risco. A energia elétrica foi inicialmente cortada para cerca de 47 mil moradores da região, mas já fora restaurada a quase todos, disse o ministro.

Quase 50 brigadas de incêndio de Valparaíso e de municípios vizinhos foram destacadas para combater as chamas, e investigadores foram enviados para determinar a causa do incêndio, iniciado em um clube de pescaria, de acordo com o governo.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostraram uma grande coluna de fumaça marrom emanando de uma elevação vizinha em uma das colinas da cidade, e permeando o céu sobre as águas do Pacífico. Autoridades disseram que as chamas foram atiçadas por ventos fortes e altas temperaturas. O lixo depositado em encostas de Valparaíso também contribuiu para espalhar o fogo.

“Não temos nenhum jeito de evitar que pessoas joguem lixo nas sarjetas de Valparaíso”, disse Aleuy. “Nós insistimos que não é apenas o serviço público civil que tem que fazer trabalho preventivo. As pessoas também têm.”

Uma seca no centro do Chile causou um número recorde de incêndios florestais na região no ano passado, forçando a remoção de pessoas perto da capital, Santiago, a cerca de 100 quilômetros de Valparaíso. 

Cidade de 285 mil habitantes, Valparaíso é o centro de uma região metropolitana de cerca de 1 milhão de pessoas, o segundo maior distrito urbano do Chile. Construída em íngremes encostas em uma área repleta de pinheiros, muitas das estruturas de madeira da cidade são suscetíveis a incêndios, especialmente nas vizinhanças mais pobres, nos topos das colinas.

Em 2014, um incêndio matou 13 pessoas e queimou 2 mil casas na cidade. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.