Incêndios destróem casas e deixam quatro feridos na Austrália

Mais de 200 bombeiros atuam no combate ao fogo em florestas perto das cidades de Canberra e Sidney

Efe,

17 de dezembro de 2009 | 09h05

Bombeiros lutam contra o fogo em Londoderry, perto de Sidney. Foto: Paul Miller/Efe

SIDNEY - Os incêndios que há uma semana atingem diferentes regiões do Estado de Nova Gales do Sul, no leste da Austrália, destruíram nesta quinta-feira, 17, as primeiras casas e causaram pelo menos quatro feridos.

Pelas informações do Serviço Rural de Incêndios, o fogo alcançou a localidade de Michelago, povoada por mil de habitantes e distante cerca de 50 quilômetros ao sul de Canberra, assim como a vizinha de

Gerogery, com um número similar de residentes.

Conforme o Serviço de Urgências, quatro pessoas, entre elas um homem de 60 anos que tentava evitar que as chamas alcançassem prédios de Gerogery, foram evacuadas em um helicóptero ao Hospital

de Canberra para terem as queimaduras tratadas.

 "A situação é muito tensa, sobretudo em Michelago e Gerogery",disse o porta-voz do Serviço Rural de Incêndios, Alex Chesser, à rede de televisão "ABC". Os incêndios também destruíram casas e veículos, embora as autoridades não tenham dados sobre os danos materiais.

 Mais de 200 bombeiros, equipados com 50 caminhões e seis aeronaves, atuam no combate ao fogo, que se propagou em grande velocidade em uma floresta situada entre as localidades de Glenellen e Gerogery, onde as autoridades declararam o estado de emergência.

Mark Wehener, responsável do Serviço de Incêndios Rurais (RSF), afirmou que as saídas das duas l ocalidades estavam bloqueadas pelas chamas, por isso recomendou prudência aos que têm intenção de deixar a cidade.

"O fogo está já na região e as colunas de fumaça são muito grandes, devem refugiar-se em um lugar seguro e não sair até que passe o perigo", recomendou.

Apesar dos esforços dos bombeiros, o RSF indicou que o fogo segue propagando-se de forma muito agressiva devido ao calor sufocante, com temperaturas acima de 40 graus centígrados, à força do vento.

Os alertas por incêndios florestais se repetiram em várias ocasiões no país durante a primavera e neste verão, que começou em 1º de dezembro.

Um novo sistema nacional de alarme contra incêndios foi posto em funcionamento pelas autoridades australianas após o trágico "Sábado Negro" de 7 de fevereiro, quando vários incêndios causaram 173

mortos, arrasaram povoados inteiros e destruíram quase meio milhão de hectares.

Helicópteros são usados no combate ao fogo. Foto: Tim Winborne/Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Austráliaincêndios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.