Incêndios em duas fábricas no Paquistão matam pelo menos 261 pessoas

Pelo menos 261 pessoas morreram queimadas em incêndios que destruíram duas fábricas no Paquistão, um na cidade de Karachi e outro em Lahore, afirmaram autoridades da polícia e do governo na quarta-feira.

Reuters

12 de setembro de 2012 | 07h53

O número de mortos dos incêndios de terça-feira levanta questões familiares sobre segurança na indústria no país do sul da Ásia. Nos hospitais e necrotérios, parentes em prantos disparavam críticas ao governo profundamente impopular.

No acidente mais letal as chamas devastaram uma loja de roupas em Karachi, a dinâmica capital comercial do país, matando pelo menos 236 pessoas.

"As pessoas começaram a gritar por suas vidas", disse Mohammad Asif, de 20 anos. "Todo mundo vinha para a janela. Eu pulei do terceiro andar"

Um outro incêndio, na cidade de Lahore, no leste do país, atingiu uma fábrica de sapatos, matando pelo menos 25 pessoas.

"Os donos estavam mais preocupados em salvaguardar as roupas na fábrica do que os trabalhadores", afirmou o funcionário Mohammad Pervez, segurando uma fotografia de seu sobrinho, que também trabalha no local e está desaparecido.

"Se não houvessem grades de metal nas janelas, muitas pessoas teriam sido salvas. A fábrica estava lotada de roupas e tecidos. Qualquer pessoa que reclamasse era demitida".

Em um hospital de Karachi, cerca de 30 corpos que não podiam ser identificados por causa das queimaduras estavam enfileirados no necrotério.

A causa dos incêndio na fábrica de roupas ainda não foi esclarecida.

Na quarta-feira, um ministro da província ordenou a inspeção de todas as fábricas e indústrias na província de Sindh dentro de 48 horas. A capital provincial de Karachi abriga mais de 18 milhões de pessoas.

(Reportagem de Imtiaz Shah)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOINCENDIOSFABRICAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.