PETER PARKS / AFP
PETER PARKS / AFP

Incêndios florestais deixam ao menos 3 mortos e 30 feridos na Austrália

Segundo primeiro-ministro, número de mortos pode ser maior, já que algumas áreas ainda têm acesso bloqueado; mais de mil bombeiros lutam contra as chamas

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2019 | 10h40

SYDNEY - Incêndios florestais de larga escala deixaram ao menos três mortos e 30 feridos na região leste da Austrália, informaram autoridades do estado de Nova Gales do Sul. Segundo o Corpo de Bombeiros local, além dessas vítimas, outras cinco pessoas estão desaparecidades e cerca de 150 residências foram destruídas pelas chamas.

Duas das três pessoas que morreram foram encontradas próximas à cidade de Glen Innes, a 550 quilômetros ao norte de Sydney. Uma das vítimas foi encontrada já morta, dentro de um veículo, e a outra - uma mulher de 69 anos - faleceu após ser levada a um hospital. A terceira morte foi informada pela polícia, que ainda não confirmou se o corpo encontrado é de uma das pessoas desaparecidas.

Segundo o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, é possível que o número de mortos possa ser muito maior. "O acesso a algumas áreas permanece bloqueado (pelas chamas), e por isso tememos que cheguem más notícias", declarou.

As fatalidades se concentram no estado de Nova Gales do Sul, onde foram registrados 77 incêndios florestais, dos quais 42 estão fora de controle e nove exigiram que as autoridades locais declarassem "alerta de emergência". "Nunca tivemos tantos incêndios com este nível de emergência", disse o chefe do Serviço Rural de Bombeiros do estado, Shane Fitzsimmons.

Mais de mil bombeiros lutam contra as chamas, que já queimaram uma área de 5750 quilômetros quadrados - quase quatro vezes o tamanho da cidade de São Paulo - desde 1º de julho até o início deste mês. A área supera toda a superficie devastada nas duas últimas temporadas de queimadas juntas.

A temporada de incêndios na Australia varia conforme a região e as condições meteorológicas, embora geralmente aconteçam entre os meses de dezembro a março. Os piores incêndios ocorridos no país nas últimas décadas aconteceram no começo de fevereiro de 2009 no estado de Victoria, sudeste do país, e tiveram saldo de 173 mortos e 414 feridos, além de terem queimado uma área de 4,5 mil quilômetros quadrados. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.