AFP PHOTO / Valery HACHE
AFP PHOTO / Valery HACHE

Incêndios florestais destroem vegetação ao longo da Riviera Francesa

De acordo com balanço provisório das autoridades, ao menos 3.000 hectares já foram consumidos pelas chamas, principalmente no norte da Córsega; quatro bombeiros ficaram feridos, mas não há relatos de mortes

O Estado de S.Paulo

25 Julho 2017 | 14h21

NICE/MARSELHA - Centenas de bombeiros enfrentam incêndios florestais ao longo da costa da Riviera Francesa nesta terça-feira, 25, enquanto as chamas espalhadas por ventos fortes consumiam vegetações em colinas com vista para deslumbrantes balneários mediterrâneos lotados de turistas no verão europeu. As chamas já destruíram cerca de 3.000 hectares, informaram as autoridades locais.

Autoridades locais disseram que diversos bombeiros ficaram feridos e um chegou a ser hospitalizado, mas que, de imediato, não houve relatos de mortes, ao contrário de semelhantes incêndios florestais que deixaram dezenas de mortos em outras regiões do sul da Europa, principalmente em Portugal.

Um incêndio que irrompeu na noite de segunda-feira perto de Croix Valmer e das marinas repletas de iates de Saint-Tropez enviou nuvens espessas de fumaça aos céus à vista de movimentadas praias.

Agravados pelas fortes rajadas de vento, os incêndios obrigaram as autoridades a retirar os moradores, cujas casas estavam ameaçadas pelas chamas. Os bombeiros indicaram que o fogo nesta região, onde fortes ventos vão continuar a soprar nesta terça-feira, será "o mais difícil" de controlar.

No total, 19 aeronaves e mil homens lutam para apagar os incêndios. De acordo com um balanço provisório fornecido pelas autoridades, as chamas devastaram 1.500 hectares no norte da Córsega, 400 hectares em Croix-Valmer, 300 perto de Saint-Maximin (Var) e 80 hectares em Carros (Alpes Marítimos).

Quatro bombeiros ficaram feridos combatendo as chamas em Var, segundo a imprensa local, e 15 policiais foram intoxicados pela fumaça na Córsega, informaram fontes policiais.

O sudeste da França sofre uma severa seca há várias semanas, e os ventos fortes aumentam o risco de uma rápida propagação do incêndio. Em Saint-Cannat, na região de Marselha, as chamas destruíram 800 hectares, provavelmente por causa de uma ponta de cigarro.

Meteorologistas disseram que os fortes ventos persistirão por mais um ou dois dias, no mínimo, aumentando o risco de que o incêndio retorne mesmo em locais onde os bombeiros já estão prestes a conter as chamas. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.