Kyle Grillot/EFE
Kyle Grillot/EFE

Incêndios na Califórnia atingem mais de 800 mil hectares, recorde histórico para o Estado

Temporada de incêndios acaba apenas em novembro; Califórnia registrou temperatura recorde de 49ºC no domingo, 6

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2020 | 02h55

Os incêndios florestais na Califórnia já atingiram mais de 800.000 hectares, área recorde para o Estado, segundo o Corpo de Bombeiros local. Um foco de chamas ainda sem controle obrigou residentes a deixarem suas casas neste último final de semana. 

"Este definitivamente é um recorde e ainda não chegamos ao final da temporada de incêndios", disse a porta-voz do Departamento de Proteção Florestal contra Incêndios da Califórnia, Lynne Tolmachoff. 

O recorde foi alcançado dois meses antes do fim da temporada de incêndios florestais no Estado mais povoado dos EUA, onde milhares de bombeiros lutam contra as chamas em meio a uma intensa onda de calor. 

Ao menos sete pessoas morreram em decorrência dos incêndios deste ano e cerca de 3.800 imóveis foram danificados ou destruídos, de acordo com o Departamento de Proteção Florestal. 

A última vez que a quantidade de terras queimadas se aproximou de 800.000 hectares foi em 2018, mesmo ano do devastador incêndio de Camp Fire, quando 769.000 hectares foram destruídos. 

Mais de 14.100 bombeiros foram designados para combater 24 incêndios diferentes desde a tarde de segunda-feira, 7. 

Entre os incêndios está o Creek Fire, que começou na sexta-feira em um terreno acidentado. Até a madrugada desta terça-feira, 8, as chamas haviam atingido quase 32 mil hectares. O fogo segue se espalhando em "condições extremas" e ainda não foi contido.

A Califórnia tem suportado temperaturas escaldantes ultimamente e alcançou um recorde de 49ºC no domingo, 6, em Woodland Hills, recorde histórico para o condado de Los Angeles, segundo o Serviço Meteorológico Nacional./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.