REUTERS/Terray Sylvester
REUTERS/Terray Sylvester

Incêndios na Califórnia: número de desaparecidos sobe para cerca de 1.300

Lista de pessoas desaparecidas saltou para mais de 1.300 nos últimos dias; número total de mortos é de 79

O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2018 | 05h00

SÃO FRANCISCO, EUA - As autoridades dos Estados Unidos informaram neste domingo, 18, que o número de desaparecidos no incêndio que atinge há mais de uma semana o norte da Califórnia subiu de 631 para aproximadamente 1.300. O número total de mortos pelas chamas no Estado aumentou para 79.

Os serviços de emergências recuperaram mais alguns corpos, o que aumentou o número de mortos no chamado "Camp Fire", na região norte, o incêndio mais mortífero da história do estado, para 76. As outras três mortes aconteceram no "Woolsey Fire", que também atinge há mais de uma semana o sul do Estado.

De acordo com os últimos dados, o "Camp Fire" destruiu mais de 12.000 edifícios, na sua maioria na cidade de Paradise, praticamente devastada por completo. O incêndio queimou um total de 57,5 mil hectares. Até o momento, os bombeiros conseguiram conter 50% das chamas.

Apesar dos avanços conseguidos na luta contra o fogo, as autoridades alertaram que fortes rajadas de vento seco são aguardadas para o final de semana, o que dificultaria o trabalho dos bombeiros.

Cerca de 40.000 pessoas permanecem evacuadas na região. A fumaça gerada pelas chamas se desloca centenas de quilômetros e mantém áreas muito povoadas como Sacramento e toda a área da baía de São Francisco sob alerta máximo pela má qualidade do ar.

As partículas na fumaça podem irritar e causar danos nos pulmões e nos olhos. Por conta disto, a recomendação é que os moradores dessas áreas não saiam de casa. O presidente norte-americano, Donald Trump, visitou no sábado as áreas afetadas pelos incêndios\ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.