Incerteza em combates nas Filipinas

Informações contraditórias são tudo o que se pode apurar da operação militar que o Exército filipino empreendeu até o momento contra o grupo de rebeldes da guerrilha Abu Sayyaf que mantém seqüestradas 20 pessoas - três norte-americanos e 17 filipinos - em duas ilhas no sudoeste do país. O governo afirma que dois soldados morreram e outros sete ficaram feridos durante o combate, enquanto que porta-vozes da guerrilha informam as mortes de dois dos reféns, que teriam sido feridos pelas forças oficiais. Anteriormente, na própria sexta-feira, a presidenta filipina, Gloria Arroyo, prometeu continuar as operações militares contra os seqüestradores da guerrilha muçulmana. O porta-voz da presidência, Rogoberto Tiglao, assegurou que o governo mantinha um estreito contato com o governo norte-americano. O Abu Sayyaf luta por um Estado islâmico independente nas Filipinas e seqüestrou os turistas no último domingo em um complexo turístico na região de Palawan, no oeste do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.