Incertezas marcam convenção republicana

O Partido Republicano dos Estados Unidos começa amanhã sua convenção nacional diante de duas incertezas: a imprevisibilidade do furacão Gustav, que deverá atingir amanhã a costa do Golfo do México e levou o presidente americano, George W. Bush, e seu vice-presidente, Dick Cheney, a cancelarem a participação no evento, e o efeito ainda não avaliado do candidato John McCain ter escolhido a governadora do Alasca, Sarah Palin, para ser sua colega de chapa. No final da tarde de hoje, McCain ordenou o cancelamento de boa parte dos eventos do primeiro dia da convenção nacional republicana, por causa da ameaça do furacão Gustav."Temos que agir como americanos," disse McCain. Segundo ele, apenas as atividades essenciais da abertura da convenção nacional republicana foram mantidas. As projeções atuais do Centro Nacional de Furacões dos EUA indicam que Gustav deverá entrar no continente perto do local onde o furacão Katrina chegou em 2005, atingindo Nova Orleans, na Louisiana. A administração do presidente Bush foi repetidamente responsabilizada pelo mau manejo da crise provocada pela passagem do Katrina, que devastou Nova Orleans em 2005. Os republicanos estavam claramente preocupados hoje com o fato de que sua convenção será aberta no dia em que milhares de cidadãos dos estados na costa do Golfo estarão em fuga do que é um potencial desastre natural.Bush e Cheney deveriam amanhã à noite, mas a participação deles, pelo menos no primeiro dia da convenção, foi cancelada. "Você sabe que não seria apropriado ter uma ocasião festiva enquanto uma tragédia possível está próxima ou um terrível desafio é apresentado na forma de um desastre natural, então nós estamos monitorando (o furacão) diariamente e eu estou fazendo algumas preces," disse McCain em entrevista exibida hoje na Fox News.Os possíveis estragos do Gustav serão conhecidos bem antes do final da convenção republicana, que termina na sexta-feira. Já os efeitos da escolha de Palin para candidata a vice-presidente na chapa de MacCain só serão totalmente avaliados nas eleições de 4 de novembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.