Incidentes ameaçam trégua entre Fatah e Hamas

A frágil trégua acordada entre as milícias palestinas do Fatah e do Movimento Islâmico Hamas é respeitada nesta segunda-feira pelos dois lados, embora tenham ocorrido alguns incidentes isolados na Cidade de Gaza sem conseqüências, indicaram fontes de segurança.Segundo fontes policiais, os tiroteios foram retomados na manhã desta segunda-feira nas imediações da residência do presidente da Autoridade nacional Palestina (ANP) e líder do Fatah, Mahmoud Abbas.Fontes policiais informaram nesta segunda-feira que os milicianos trocaram tiros nas imediações da residência de Abbas, que se encontra na cidade cisjordaniana de Ramalah, onde deve reunir-se com o primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, que chegou na noite de domingo a Israel vindo do Iraque.Além disso, testemunhas afirmaram sobre outros tiroteios, por enquanto sem vítimas, após aproximadamente sete horas da proclamação do cessar-fogo entre ambos os lados em entrevista coletiva na Cidade de Gaza.Os representantes do Hamas e do Fatah não compareceram diante da imprensa, sendo que um porta-voz da Jihad Islâmica divulgou os oito pontos da trégua, um documento que "ainda precisa ser completado", segundo fontes do Movimento Islâmico.A Jihad Islâmica, a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), a Frente Democrática para a Libertação da Palestina (FDLP) e o Catar intermediaram entre os dois lados para conseguir o cessar-fogo e evitar uma guerra civil.Incidentes do domingoA escalada da violência entre palestinos na última semanaalcançou no domingo o seu ponto máximo, com três mortos, entre eles um estudante, e um grande número de feridos em diferentes locais da Faixa de Gaza, dividida entre os partidários do presidente Abbas, do Fatah, e os do primeiro-ministro Ismail Haniyeh, do Hamas.Um dos mortos, Adnan Rahmi, pertencia aos efetivos da Segurança Nacional e era dirigente do Fatah, foi seqüestrado e executado por militantes do Hamas, segundo os nacionalistas.Os combates entre os milicianos se concentraram nos arredores da sede do Conselho Legislativo na Cidade de Gaza, assim como nos da residência de Abbas, e da de seu assessor para assuntos de segurança, o coronel Mohammed Dahlan, acusado pelo Hamas de atentar contra a vida de Haniyeh.O ministro de Exteriores do governo islâmico, Mahmoud Zahar, foi vítima no domingo de um atentado frustrado, quando viajava em uma comitiva de veículos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.