Tolga AKMEN / AFP
Tolga AKMEN / AFP
Imagem Helio Gurovitz
Colunista
Helio Gurovitz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Incógnita cerca Brexit em semana decisiva

Às vésperas da segunda – e decisiva – votação sobre o Brexit no Parlamento britânico, ninguém sabe o que acontecerá

Helio Gurovitz, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2019 | 05h00

Às vésperas da segunda – e decisiva – votação sobre o Brexit no Parlamento britânico, ninguém sabe o que acontecerá. Não está afastado nem o espectro caótico de saída da União Europeia sem acordo no dia 29. Evitá-lo dependeria da extensão no prazo do divórcio, sujeita à aprovação de todos os países da UE. Eis as alternativas diante dos britânicos:

1.    Nada é aprovado no Parlamento, e o divórcio ocorre no fim do mês sem acordo. Seria o caos. Nem Reino Unido nem UE estão preparados. É o cenário menos provável.

2.    A premiê, Theresa May, obtém, pela pressão do prazo, aprovação do acordo rejeitado em janeiro, incluindo o dispositivo de segurança (“backstop”) para evitar controles fronteiriços entre as Irlandas. Improvável.

3.    O acordo é aprovado, sujeito a novo referendo popular. Tal hipótese ajudaria May a conquistar o apoio de opositores do Brexit, que depositam a esperança de anulá-lo numa nova votação. Também improvável.

4.    O acordo é rejeitado, mas o Parlamento impõe a condição de que não haverá saída da UE sem acordo e pede extensão de prazo. É o cenário mais provável. 

Neste último cenário, May terá uma opção dura. Ou se livra do “backstop” para agradar à ala separatista dos conservadores, mas descontenta os norte-irlandeses que sustentam sua coalizão, ou então transforma o acordo numa união aduaneira permanente com a UE para atrair o apoio dos trabalhistas, mas leva seu partido ao racha. Nenhuma das escolhas será feliz para ela. Nem para o país.

Sem acordo, pode faltar até papel higiênico

Não bastassem ameaças de filas nos portos e linhas e trem, violência na fronteira entre as Irlandas e falta de comida, a Foreign Policy faz um novo alerta: caso se concretize o Brexit sem acordo no fim do mês, faltará papel higiênico no Reino Unido. Cada britânico consome 110 rolos anuais (recorde europeu). De todo o papel consumido no país, 85% vem de fora (60% da UE). O problema não seria novas tarifas, mas a burocracia na importação, com risco de desabastecimento por até seis meses.

Republicanos evitam políticas conservadoras

Estudioso da polarização nos Estados Unidos, o cientista político Matt Grossmann se debruça em seu próximo livro sobre um paradoxo: embora republicanos tenham conquistado governos e legislaturas locais, isso não resultou em políticas mais conservadoras, exceto na educação. Financiamento de campanha, direitos civis e dos homossexuais, meio ambiente, saúde, drogas, impostos e legislação eleitoral, ao contrário, caminharam para a esquerda. Aborto, armas, imigração e leis trabalhistas são os temas mais polarizadores.

A fantasia do ‘lobby israelense’ nos EUA

A deputada Ilhan Omar levantou uma antiga fantasia antissemita, ao insinuar o poder do “lobby israelense” sobre a política americana. Em 2018, organizações de apoio a Israel doaram meros US$ 10,6 milhões a parlamentares e ficaram em 34.º na lista de doadores, atrás das indústrias financeira, farmacêutica, petrolífera, eletrônica, hospitalar, bélica, das ONGs e dezenas de outras. O Comitê Americano-Israelense de Assuntos Públicos (Aipac), citado por Omar, nem entra na lista dos 50 maiores grupos de lobby: gastou, segundo dados do Center for Responsive Politics, US$ 3,5 milhões de um total de US$ 5 milhões despendidos por grupos na defesa de Israel.

Jovens americanos abandonam Facebook

Mais de 15 milhões abandonaram o Facebook nos Estados Unidos nos últimos dois anos, revela um levantamento da Edison Research. Os usuários caíram para 172 milhões. No público entre 12 e 34 anos, há 17 milhões a menos. Os jovens se sentem atraídos por outras redes sociais, sobretudo Instagram (do próprio Facebook) e Snapchat.

Spielberg quer afastar Netflix do Oscar

Depois de a Netflix levar três estatuetas com Roma, o cineasta Steven Spielberg, líder da academia que concede o Oscar, quer tirar do prêmio os filmes lançados em serviços de streaming. Ele acredita que o cinema para TV representa outra forma de arte. Cineastas se queixam de que as novas regras favoreceriam apenas obras lançadas por grandes distribuidoras.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.