Indecisos podem definir eleições legislativas na Áustria

Os colégios eleitorais da Áustria abriramneste domingo suas portas às 07h (02h em Brasília) para os 6,1 milhões de cidadãos que poderão escolher um novo Parlamento e governo. Os colégios em 2.358 distritos serão fechados às 17h (12h emBrasília) e os primeiros resultados oficiais são esperados por volta das 19h30 (13h30 em Brasília). Segundo as pesquisas mais recentes, o Partido Popular (ÖVP) do chanceler federal Wolfgang Schüssel - atualmente no poder emcoalizão com a formação populista de direitas BZOe (Aliança para o futuro da Áustria) -, lidera as intenções de voto, seguido de pertopelo opositor Partido Social-Democrata (SPÖ). As pesquisas indicam que o ÖVP terá entre 36% e 39% dos votos, enquanto os social-democratas liderados por Alfred Gusenbauer obteriam de 34% a 37%. O terceiro posto é disputado pelo partido ecologista "Os Verdes", com um apoio de entre 10% e 11,5%, e os liberais direitistas do FPÖ,que devem ter entre 7,5% e 10% dos votos. Outros partidos, como o do independente Hans Peter Martin, o partido comunista e o BZOe, que agrupa o restantes dos seguidores do ultranacionalista Joerg Haider que assumiram o poder em 2000, lutampara obter os 4% de votos necessários para entrar no Parlamento, com 183 deputados. Nas eleições anteriores, realizadas em 2002, o ÖVP saiu vencedor com 42,3% dos votos, correspondentes a 79 cadeiras no Parlamento, seguido do SPÖ, com 36,5% (69 cadeiras), do FPÖ (antes da cisão doBZOe), com 10% (18), e dos Verdes, com 9,4% (17). Segundo as pesquisas, nenhum partido obterá a maioria absoluta requerida para governar sozinho, o que obrigará a uma aliança com outra legenda. Em função disso, observadores políticos acreditam no retorno da chamada "grande coalizão", formada por populares e social-democratas. Além disso, existe a possibilidade de os Verdes se unirem aos conservadores do ÖVP ou até mesmo com o SPÖ. No entanto, não são descartadas surpresas no resultado das eleições, em função do grande número de indecisos registrado até último momento, de cerca de dois milhões de pessoas, o que equivalea quase um terço do eleitorado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.