Índia anuncia prisão de 23 piratas e frustra ataque contra navio

Doze somalis e onze iemenitas tentavam seqüestrar embarcação etíope no Golfo do Éden, diz Marinha indiana

Efe e AP,

13 de dezembro de 2008 | 11h43

A Marinha indiana anunciou neste sábado, 13, que um de seus navios capturou 23 piratas que tentaram seqüestrar uma embarcação etíope nas águas do Golfo de Áden, a 160 milhas náuticas do litoral iemenita. Os piratas - doze somalis e onze iemenitas - permanecem na embarcação indiana, enquanto se resolvem os procedimentos legais sobre seu desembarque e como e onde atuará a Justiça contra eles, segundo um porta-voz da Marinha indiana, citado pela agência Ians. Veja também:União Européia lançará missão contra pirataria na SomáliaPara grupo de direitos humanos, Somália é país em ruínasMapa de todos os ataques reportados   "Por volta das 12h (4h30 de Brasília), a embarcação 'Mysore' recebeu um aviso de socorro da embarcação etíope 'MV Jide'", disse o porta-voz, que acrescentou que o ataque foi realizado por dois navios de piratas. Com o apoio de helicópteros militares, o "Mysore" conseguiu frustrar o assalto e capturou 23 piratas, segundo o porta-voz. A Marinha indiana apreendeu também sete fuzis, uma espingarda de 5,56 milímetros, um GPS e um telefone celular. Em 18 de novembro, a Marinha indiana já dissera haver frustrado outro ataque na mesma zona, mas, no fim, reconheceu ter afundado por engano um pesqueiro tailandês seqüestrado pelos piratas, com 16 tripulantes a bordo. O Golfo de Áden é cenário constante de ataques piratas, que este ano atingiram dezenas de embarcações. Em junho, o Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou uma resolução que autoriza navios de guerra estrangeiros a perseguir os piratas, se antes receberem o sinal verde das autoridades da Somália. Recentemente, piratas somais seqüestraram um petroleiro saudita com uma carga avaliada em US$ 100 milhões, colocando em alerta as autoridades de vários países.

Tudo o que sabemos sobre:
Somáliapiratas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.