Dibyangshu SARKAR / AFP
Dibyangshu SARKAR / AFP

Índia aumenta quarentena e ordena que 1 bilhão fique em casa

Segundo país mais populoso do mundo reforçou medidas para reduzir a circulação de pessoas

The New York Times, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2020 | 10h50

NOVA DÉLHI - O primeiro-ministro indiano Narendra Modi estendeu a quarentena nacional nesta terça-feira, 14, por mais três semanas, impedindo que mais de 1 bilhão de pessoas deixem suas casas. Ele elogiou o país por agir agressivamente contra o coronavírus e disse para os indianos não "baixarem a guarda".

Em um discurso à nação, Modi disse que prorrogar as medidas  até 3 de maio é necessário para evitar um aumento nos casos e que restrições mais duras podem seguir. Ele agradeceu os indianos por seguirem as medidas "como soldados dedicados". 

"Se você olhar apenas economicamente, tem sido caro", disse Modi. "Mas você não pode colocar um preço na vida dos indianos". Modi afirmou que algumas flexibilizações podem ser implementadas após 20 de abril em certas áreas, se houver estrito cumprimento das regras. Por enquanto, porém, ele pediu a todos os 1,3 bilhão de indianos que usem máscaras, fiquem dentro de casa, respeitem os profissionais de saúde e ajudem os idosos.

A Índia tem um número relativamente baixo de infecções confirmadas, com cerca de 10 mil casos, 339 mortes e uma taxa de duplicação de cerca de seis dias. Mas uma rápida disseminação pode ser devastadora. Os serviços de saúde são precários e milhões de indianos vivem em densas áreas urbanas, dificultando o afastamento social.

As autoridades enfrentam desafios para reforçar o bloqueio que entrou em vigor em 25 de março. Milhares de trabalhadores migrantes ficaram inicialmente presos em grandes cidades, longe de suas aldeias de origem. Alguns embarcaram em viagens a pé para chegar a suas casas. "Se tivermos paciência, derrotaremos o coronavírus", disse Modi. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.