Índia comemora o Dia da República com a visita de Sarkozy

Milhares de pessoas assistiram ao desfile em Nova Délhi; presidente francês foi ao Taj Mahal sem Carla Bruni

Efe,

26 de janeiro de 2008 | 10h02

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, assistiu neste sábado, 26, ao desfile do Dia da República e visitou o Taj Mahal - conhecido como templo do amor. Sarkozy foi o convidado de honra do desfile indiano, que contou com a presença das principais personalidades políticas e militares da Índia. Sarkozy está em visita oficial à Índia, mas não foi acompanhado da namorada, a cantora e atriz Carla Bruni, segundo a agência de notícias indiana PTI. O Dia da República comemora a data em que a Constituição indiana entrou em vigor, em 26 de janeiro de 1950. Foto: Reuters A ausência de Bruni colocou fim à intensa especulação na Índia sobre se a namorada de Sarkozy apareceria para visitar o monumento ao amor, apesar de não fazer parte da delegação oficial francesa. Há poucos dias, a própria Bruni tinha descartado que fosse acompanhar a Sarkozy durante a viagem, para alívio dos responsáveis indianos pelo protocolo, que nunca haviam recebido a visita de um chefe de Estado acompanhado da namorada. Sarkozy chegou na sexta-feira ao país, onde assinou vários acordos e discutiu com o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, assuntos de defesa, cooperação nuclear, luta contra o terrorismo e geopolítica. Foto: EfeCarro do Departamento de obras públicas desfila em Nova Délhi no Dia da República. Foto: ReutersEsse 26 de janeiro foi um dia escolhido antecipadamente, porque vinte anos antes o Partido do Congresso tinha declarado a independência simbólica ("Poorna Swaraj") do Império Britânico. Na capital indiana, 20 mil soldados das forças de segurança tomaram as ruas, após receber um alerta dos serviços de inteligência sobre um possível ataque terrorista. Foto: Efe O desfile militar do Dia da República lembra a data que a Constituição indiana entrou em vigor, 26 de janeiro de 1950, e ficou constituído o regime republicano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.