Índia denuncia campos terroristas na Caxemira paquistanesa

O ministro da Defesa da Índia, Pranab Mukherjee, acusou nesta terça-feira o Paquistão de ter dezenas de campos de terroristas na Caxemira, e pediu que Islamabad acabe com eles, informou a agência de notícias PTI.O ministro pediu ao Paquistão que elimine a infra-estrutura dos terroristas, que, segundo ele, têm no local pelo menos 59 acampamentos, para que os insurgentes saibam que não têm apoio no país vizinho.Em uma conferência realizada na terça-feira na região da Caxemira sob controle da Índia, Mukherjee lembrou às autoridades paquistanesas que os terroristas "não são amigos de ninguém", e que "o terrorismo na fronteira não tem filiação. Os terroristas são uma ameaça para oMundo".Além disso, afirmou que a organização terrorista internacional Al-Qaeda "será sempre uma ameaça para a Índia".O ministro fez o discurso após visitar o distrito de Kulhand, na região de Doda, e a localidade de Basangtgarh, no distrito de Udhampur, onde supostos terroristas separatistas islâmicos mataram 32 civis hindus na semana passada.Mukherjee deixou claro que não quer "interferir" nos assuntos internos do Paquistão, mas afirmou que nenhum Estado deve apoiar o terrorismo como parte de sua política nacional, e afirmou que "se fizer isso, terá que pagar o preço".O ministro da Defesa indiano também afirmou que, se os atentados continuarem, aumentará o número de tropas na Caxemira - uma das regiões mais militarizadas do mundo - para garantir a segurança nos lugares mais remotos e que serão oferecidas armas aos comitês de defesa dos povos para que possam enfrentar os ataques rebeldes.Mais de dez grupos terroristas lutam na Caxemira indiana desde 1989 para exigir a independência desse território, com população de maioria muçulmana, ou sua anexação ao Paquistão.A Índia acusou várias vezes o Paquistão de permitir e apoiar a instalação destes grupos em seu território, o que Islamabad sempre negou, embora afirme que apóia firmemente "o direito à livre determinação do povo caxemiriano".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.