Índia diz que é preciso agir conforme decisões do G-20

O secretário de Assuntos Econômicos da Índia, Ashok Chawla, destacou a necessidade de considerar e agir de acordo com as decisões do G-20, durante pronunciamento no Comitê de Desenvolvimento, fórum conjunto do Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial (Bird). O tom adotado está alinhado com os pronunciamentos feitos pelo Brasil neste final de semana, no Encontro de Primavera, em Washington. "As economias dos mercados emergentes não foram a causa da crise, mas estão entre as vítimas atingidas mais fortemente", disse o líder da delegação indiana, que representa os países Bangladesh, Butão, Índia e Sri Lanka.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

26 de abril de 2009 | 17h22

Chawla avaliou que a recessão atingiu a performance exportadora dos países em desenvolvimento ao asfixiar o crédito. Os efeitos combinados desaceleraram o crescimento econômico nos países em desenvolvimento, fazendo uma sombra ameaçadora sobre os prospectos para rápido crescimento econômico, sobre erradicação da pobreza e sobre o alcance das Metas de Desenvolvimento do Milênio em um espaço razoável de tempo. "Esta crise, somada à crise de alimentos e combustível no ano passado, tem colocado em risco o progresso feito pelos países em desenvolvimento em direção ao alcance das Metas de Desenvolvimento do Milênio.

Com base nas decisões adotadas pelo G-20, o secretário indiano cita a necessidade de aumento substancial dos empréstimos do Banco Mundial, revisão da capacidade de financiamento da instituição multilateral e autorização para que grandes países em desenvolvimento tenham os limites para financiamento aumentados para que possam dar suporte para a recuperação em suas regiões. "O momento certo para expandir a base de capital do Banco e do IFC (International Food Company) é agora quando o mundo todo está focado na crise e nos seus impactos sobre os pobres e vulneráveis. "Não deveríamos perder a oportunidade", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiaG-20FMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.