Mosab Omar/Reuters
Mosab Omar/Reuters

Índia diz que governo terá acesso a mensagens enviadas por BlackBerry

Recados codificados são considerados uma ameaça pelas autoridades

Reuters

16 de agosto de 2010 | 14h08

NOVA DÉLHI - A Research in Motion (RIM), empresa fabricante do BlackBerry, garantiu às autoridades da Índia que terão acesso limitado aos serviços de mensagens do aparelho desde 1º de setembro e manterá negociações durante a semana para verificar a permissão de autorizar o acesso ao email corporativo dos telefones, disse nesta segunda-feira, 12, uma fonte de Nova Délhi.

 

"A RIM assegurou que as autoridades teriam o acesso parcial ao serviço de mensagens desde 1º de setembro e concordaram em permitir o acesso até o fim do ano", disse um alto funcionário do governo que pediu para não ser identificado.

 

A empresa tem até o fim do mês para fornecer às autoridades de Nova Délhi um modo de monitorar e ler as mensagens enviadas pelos aparelhos BlackBerry. OS recados enviados pelo telefone são codificados e não podem ser lidos, o que é considerado uma ameaça pelo governo, já que podem ser um modo de terroristas se comunicarem.

 

Os Emirados Árabes Unidos já bloquearam alguns serviços do aparelho e outros países, como a Arábia Saudita, o Kuwait a Argélia e o Líbano, estudam a adoção de medidas semelhantes. A RIM utiliza o sistema de codificação para evitar que o telefone seja hackeado.

 

O governo disse que bloquearia os serviços da RIM se a empresa canadense não cumprisse a promessa. Na Índia, estima-se que haja cerca de um milhão de usuários do aparelho.

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiaBlackBerry

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.