Índia diz ter matado líder guerrilheiro islâmico da Caxemira

Forças de segurança da parte indiana da Caxemira disseram ter matado um alto líder da guerrilha islâmica, suspeito de ter sido o autor intelectual de um atentado contra o Parlamento indiano em 2001. Ghazi Baba, chefe do grupo paquistanês Jaish-e-Mohammed na Índia, foi morto numa troca de tiros em Sringar, a capital de verão do Estado de Jammu-Caxemira, informa um representante da Força de Segurança da Fronteira.Outro rebelde e um soldado da força de segurança também foram mortos no embate, que durou quase dez horas, disse o representante, que pediu para não ter o nome revelado. Oito pessoas foram feridas.Pelo menos 14 pessoas, incluindo cinco dos agressores, morreram no ataque de 2001 ao Parlamento. O governo indiano culpou o Jaish-e-Mohammed, outro grupo islâmico paquistanês e o serviço secreto do Paquistão pelo ataque. As organizações e o governo de Islamabad negaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.