Índia e China reforçam a luta contra a aids

Países em toda a Ásia inauguraram hoje às manifestações do Dia Mundial da Luta contra a Aids de olho no avanço da doença nos dois países mais populosos do mundo: China e Índia, onde a disseminação do vírus HIV já ameaça ganhar contornos de epidemia.Com bandeiras e cartazes de alerta, milhares de pessoas tomaram as ruas de Hanói, no Vietnã, e Bangcoc, Tailândia, em campanha de conscientização. Em Pequim, na China, o próprio governo promoveu um evento de alerta ao avanço da aids. Autoridades aproveitaram para transmitir mensagens de apoio e tolerância às vítimas do HIV, que no país ainda sofrem com a discriminação.Na Índia, o Dia Mundial da Luta contra a Aids contou com uma faixa de protesto de comprimento recorde, seis quilômetros, onde se liam mensagens para a prevenção da doença. Em Nova Délhi, autoridades promoveram também uma maratona para marcar o dia.A ONU estima que até o final do ano passado cerca de 6,6 milhões de asiáticos eram portadores do vírus HIV. Sinal do avanço da doença, só em 2001 foram cerca de 1 milhão de novos casos.Um estudo recente aponta que, caso campanhas não surtam efeito, China e Índia poderão somar, sozinhas, 35 milhões de casos até 2010. "Silêncio é sinônimo de morte, quando se trata de combater a aids", disse Jordan Ryan, funcionário da ONU em Hanói. "É hora de derrubar as barreiras do preconceito e do silêncio."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.