Índia e Paquistão discutem sobre disputa na Caxemira

Índia e Paquistão iniciaram neste domingo negociações para resolver uma disputa de décadas na Caxemira. Mas a troca de acusações em torno do território, que já foi causa de duas guerras entre esses países, pode complicar as negociações entre o ministro paquistanês das Relações Exteriores, Jursheed Kasuri, e seu par indiano, Natwar Singh.O Paquistão nega que está armando e incentivando a insurgência separatista na região e acusa a Índia de cometer violações aos direitos humanos. A Índia acusou o governo de Islamabad de armar e treinar os militares para atacar através da fronteira.Às vésperas das negociações, o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Sigh, disse que seu país busca a paz, mas que não ficará prisioneiro do tema Caxemira, considerado central para o governo do Paquistão. "Não temos medo de discutir sobre a Caxemira. Mas não aceitamos o argumento de que a Caxemira é o único tema que está afetando as relações entre a Índia e o Paquistão", disse Sigh.O movimento separatista contra o governo indiano na região provocou a morte de mais de 65 mil pessoas, a maioria civis, desde 1989. Os rebeldes lutam pela independência da Caxemira ou sua união com o Paquistão. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Navtej Sarna, disse que a infiltração de rebeldes islâmicos do Paquistão era "um motivo preocupante" e foi apresentado durante a reunião.Já o porta-voz da chancelaria paquistanesa disse que foram discutidos todos os temas da agenda, entre eles a disputa pela Caxemira e medidas para aumentar a confiança entre os dois governos.Ele negou que o Paquistão ofereça ajuda financeira e treinamento aos separatistas. Ao mesmo tempo, denunciou que os "cidadãos da Caxemira se queixam de um aumento das violações dos direitos humanos por parte da Índia desde novembro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.