Índia e Paquistão vão trocar informações sobre ataques em Mumbai

A Índia e o Paquistão acertaram um acordo para trocar informações sobre os atentados ocorridos no dia 11 de julho, em Mumbai, e anunciaram a sua intenção de que o processo de paz entre os dois países não seja afetado pelos ataques, informounesta terça-feira o jornal The Hindu. Os secretários de Relações Exteriores da Índia, Shyam Saran, e do Paquistão, Riaz Mohammad Khan, conversaram em Daca sobre as conseqüências do atentado com bombas contra sete trens da capitalfinanceira indiana, que deixaram 185 mortos. O principal suspeito da polícia indiana é o grupo terrorista separatista Lashkar-e-Toiba, cujas bases estão em território paquistanês. A Índia suspendeu um encontro entre Saran e Khanprevisto para o mês passado, como parte do processo de paz. Na segunda-feira, Saran evitou dizer se Nova Délhi tinha proposto novas datas para o encontro oficial, mas afirmou que houve um acordo paramanter contatos. "Comuniquei nossas preocupações com o terrorismo e concordamos que o processo de paz é importante. Por isso devemos fazer todos os esforços para garantir que ele não seja afetado",Acrescentou. Khan afirmou que a reunião foi "positiva" e prometeu que caso o seu governo descubra alguma pista que auxilie na investigação dosatentados de Mumbai, ela será revelada às autoridades da Índia. Durante a reunião dos secretários de Relações Exteriores dos sete países membros da Associação para a Cooperação Regional no Sul daÁsia (Saarc), segunda-feira, em Daca, Saran disse que o processo de paz entre seu país e o Paquistão só podia avançar num ambiente livre da violência e do terrorismo. Nova Délhi e Islamabad iniciaram em 2004 um "Diálogo Global" a fim de acabar com seus conflitos históricos, entre eles a disputa pelo território da Caxemira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.