Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Índia encerra cerco a hotel; ataques deixam 195 mortos

O comando de segurança indiano matou na madrugada deste sábado o último homem armado que permanecia no Hotel Taj Mahal, em Mumbai, capital financeira da Índia, encerrando a onda de violência no país que perdurou por 60 horas e provocou a morte de 195 pessoas. Agora, o foco das autoridades está no busca dos culpados pelos ataques.O desconhecido grupo muçulmano Mujahedin do Deccan responsabilizou-se pelos ataques iniciados na noite de quarta-feira. Entretanto, as forças de segurança indianas afirmam que os responsáveis podem vir de um país vizinho, o Paquistão, que negou envolvimento e prometeu ajudar nas investigações. Além disso, um time de agentes da Agência Federal de Investigações norte-americana (FBI) está a caminho do país para prestar assistência ao comando indiano.Aproximadamente 300 pessoas ficaram feridas durante a onda de violência que teve início na última quarta-feira, quando um grupo de homens armados atacou dez áreas diferentes em Mumbai. Entre os mortos, estão cerca de 20 soldados e policiais.O Taj Mahal ficou em chamas e uma espessa fumaça envolvia o hotel depois que as forças de segurança indiana encerraram o cerco ao local, neste sábado. Na madrugada, um comando de elite já havia retomado um centro judaico, onde nove reféns foram encontrados mortos."Havia três terroristas, nós matamos eles", disse J.K. Dutt, diretor-geral da Guarda Nacional de Segurança da Índia. A equipe de elite acredita que ainda pessoas no hotel. "Elas estão muito assustados, então mesmo quando pedimos que saíssem e se identificassem, elas continuam com medo", disse Dutt.O presidente norte-americano, George W. Bush, ofereceu neste sábado o "total apoio dos Estados Unidos" à Índia, enquanto o país investiga os ataques. Bush discursou da Casa Branca, após participar de uma videoconferência de uma hora com diplomatas dos EUA na Índia. Há seis norte-americanos entre os mortos, e foram confirmadas as mortes de 18 estrangeiros. Há vítimas de: Alemanha, Canadá, Israel, Grã-Bretanha, Itália, Japão, China, Tailândia, Austrália e Cingapura.PaquistãoO ministro de assuntos internos da Índia, Jaiprakash Jaiswal, disse que um dos homens capturados era paquistanês. "De acordo com informações, preliminares, algumas pessoas do Paquistão são responsáveis pelos ataques terroristas em Mumbai", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Pranab Mukherjee.O primeiro-ministro paquistanês, Yousaf Raza Gilani, reafirmou que seu país não está envolvido no caso e prometeu ajuda nas investigações. Inicialmente, o governo paquistanês anunciou que enviaria o chefe da poderosa agência de inteligência do país, para auxiliar nas investigações. Neste sábado, porém, um comunicado de um porta-voz do primeiro-ministro anunciou que seguirá para o país um enviado do serviço de inteligência, não seu diretor.Gilani pediu neste sábado que a Índia não "exagere" na reação aos ataques. Além disso, ofereceu colaboração, caso haja de fato paquistaneses envolvidos. Vários funcionários indianos disseram que o grupo paquistanês Lashkar-e-Taiba está envolvido na violência.Obama O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou para o primeiro-ministro indiano, Manmohan Sing, para se solidarizar por causa dos ataques em Mumbai. O contato foi feito na noite de sexta-feira, segundo um funcionário do escritório de transição do democrata, que falou sob condição de anonimato. Obama assume a presidência no dia 20 de janeiro.Neste sábado, a organização do show Live Earth India anunciou que o evento previsto para Mumbai foi cancelado. O Live Earth reuniria artistas, entre eles Bon Jovi, para chamar a atenção para o problema do aquecimento global. Segundo os organizadores, os recentes ataques impediram a realização do espetáculo, previsto para o dia 7 de dezembro. As informações da Associated Press e da Dow Jones.

GABRIEL BUENO, Agencia Estado

29 de novembro de 2008 | 18h22

Tudo o que sabemos sobre:
Mumbaiviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.