Ullstein bild via Getty Images
Ullstein bild via Getty Images

Índia estuda reabrir caso sobre assassinato de Gandhi

Solicitação foi feita por pesquisador de organização formada por hindus de direita

O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 20h38

NOVA DÉLHI - A Suprema Corte da Índia decidiu nesta sexta-feira, 6, examinar a possibilidade de reabrir o caso sobre o assassinato do líder pacifista Mahatma Gandhi, ocorrido quase 70 anos atrás.

Neto de Ghandhi prega educação não-materialista

O tribunal atendeu ao pedido de um pesquisador da organização Abhinav Bharat, formada por hindus de direita. O homicídio de Gandhi ocorreu no dia 30 de janeiro de 1948, quando ele foi baleado pelo nacionalista hindu Nathuram Vinayak Godse, enforcado em novembro do ano seguinte.

Segundo o pesquisador Pankaj Phadnis, que trabalha para a Abhinav Bharat, Godse foi usado como pretexto para um dos "maiores acobertamentos da história". Atualmente, a organização é presidida pela bisneta do assassino de Gandhi, Himani Savarkar. A Suprema Corte da Índia já destacou um advogado, Amarendra Sharan, para verificar se há indícios concretos que justifiquem a reabertura do caso. / ANSA

Mais conteúdo sobre:
Gandhi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.